Jornal do Commercio
Sistema Prisional

Vídeo em 360º ilustra superlotação dos presídios brasileiros

Produzido pela Rede Justiça Criminal, vídeo faz parte de uma campanha para reduzir a superlotação nas prisões do Brasil

Publicado em 19/06/2017, às 22h17

Situações de maus tratos também estão representadas na peça, além de alguns dados sobre as situações dos presídios brasileiros / Reprodução
Situações de maus tratos também estão representadas na peça, além de alguns dados sobre as situações dos presídios brasileiros
Reprodução
JC Online

Um vídeo produzido pelo grupo Rede Justiça Criminal ajuda a ilustrar as péssimas condições das celas dos presídios brasileiros. Em uma gravação em 360º, o vídeo faz uma encenação de uma situação comum entre a maior parte dos presos no Brasil: a superlotação das celas.

"Vinte e cinco pessoas vivendo dentro desse lugar aqui, talvez um cachorro lá na rua tenha mais espaço que a gente", declara um dos atores que participaram da produção. Situações de maus tratos também estão representadas na peça, além de alguns dados sobre as situações dos presídios brasileiros. "Há 622 mil pessoas presas em condições subumanas nas prisões brasileiras e pelo menos 40% delas deveriam estar em liberdade".



O vídeo faz parte da campanha "Encarceramento em Massa não É Justiça", que busca arrecadar assinaturas para cobrar ações das autoridades do País para reduzir a superlotação nas prisões do Brasil. Também foi criado um site para a campanha, contendo histórias baseadas em fatos reais e dados sobre as prisões brasileiras. "O encarceramento em massa não é só desumano, mas também é contra a lei. Há milhares de pessoas que seguem presas sem julgamento, por falhas do sistema penal brasileiro", afirma a página na internet.

Confira o vídeo feito pela Rede Justiça Criminal:


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por John,20/06/2017

Oxe, o cara bota pra lascar no cidadão que paga seus impostos e ainda quer hotel de luxo? Por mim pode morrer todos.

Por Gustavo,20/06/2017

É so vc não matar não estuprar e nao roubar, que vc não vai preso!! p.rr.a !! - (Jair Bolsonaro)

Por Maria Eustáquia,20/06/2017

É só não roubar, não matar, não estuprar, que vc não vai pra lá %$#*@#$%!!! Agora nós vamos dá vida boa pra esses vagabundos!? Tem que se F%$*!! Essa é minha ideia, cabou!

Por V lima,20/06/2017

Se prender mais gente resolve crinamilidade, por que a violência não para de aumentar ? Quantos deles estão aí presos sem seres julgados ? Pagando por um crime talvez nem tenham cometido... E todos saem piores do que quando entram... Ainda tem as facções que se formam lá dentro... Com certeza o sistema prisional do Brasil é uns dos grandes fatores para sermos um país tão grandes índices de violência.

Por Felipe,20/06/2017

Podiam passar esse vídeo nas escolas, assim os adolescentes e crianças saberiam a verdade de quem cai no tráfico, de quem cai no crime. Não estou justificando o que esses seres humanos passam, mas ainda assim é a realidade e dificilmente mudará.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM