Jornal do Commercio
Patrimônio Mundial

Cais do Valongo é declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco

A pedra escolhida como patrimônio simboliza o martírio dos escravos da África traficados no continente sul-americano

Publicado em 09/07/2017, às 16h12

O sítio foi localizado sob uma camada espessa de cimento em 2011 / Foto: Agência Brasil
O sítio foi localizado sob uma camada espessa de cimento em 2011
Foto: Agência Brasil
AFP

A Unesco incluiu neste domingo (9), em sua lista do Patrimônio Mundial o sítio arqueológico do Cais do Valongo, que simboliza a chegada em massa e o martírio dos escravos africanos traficados ao continente sul-americano.

O Comitê do Patrimônio mundial, reunido em Cracóvia, na Polônia, evocou a memória de cerca de 900.000 africanos desembarcados no cais de pedra construído a partir de 1811 no Rio de Janeiro.

Para a historiadora Kátia Bogea, presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o Valongo merece estar "junto com lugares de memória como (a cidade japonesa de) Hiroshima ou (o campo de concentração nazista de) Auschwitz-Birkenau".

A proteção do patrimônio, acrescentou, "nos obriga a lembrar essas partes da história da humanidade que é proibido esquecer".



"É o reconhecimento da dor de uma tragédia, da necessidade de reparação em nome dos milhões de africanos que foram escravizados para proporcionar a mão de obra que construiu" o continente, afirmou Milton Guran, antropólogo responsável pela candidatura do sítio.

O reconhecimento serve "para poder lembrar essa história e reduzir as desigualdades e os prejuízos", completou.

Histórico

As pedras em que quase um milhão de escravos provenientes da África deram seus primeiros passos no Brasil haviam sido deixadas sob os escombros da metrópole que se desenvolveu.

Protegido por uma simples barreira e sem presença policial, o sítio continua sendo particularmente vulnerável. Ele foi localizado sob uma espessa camada de cimento em 2011, quando se faziam escavações para reabilitar nas obras da zona portuária para os Jogos Olímpicos de 2016.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM