Jornal do Commercio
Rio de Janeiro

Chega a 88 o número de policiais mortos desde o início do ano no Rio

Rio de Janeiro enfrenta onda de violência. Nesta segunda, um cabo da PM foi alvo de uma emboscada e morreu com tiro na cabeça

Publicado em 17/07/2017, às 21h28

88 policiais já morreram no Rio, apenas em 2017 / Foto: Divulgação
88 policiais já morreram no Rio, apenas em 2017
Foto: Divulgação
Agência Brasil

Com a morte do cabo Bruno dos Santos Leonardo, de 29 anos, nesta segunda-feira (17), subiu para 88 o número de policiais militares mortos no Rio de Janeiro desde o início do ano. Leonardo foi vítima de uma emboscada, na hora da rendição das equipes de policiais, na Base Avançada do Telégrafo, que faz parte da comunidade da Mnangueira, na zona norte da cidade.

Atingido por um tiro na cabeça, o cabo morreu ao chegar ao Hospital Quinta d'Or, que fica perto da Mangueira. Um policial que estava com Leonardo foi baleado na perna e também levado para o Quinta d’Or. Operado, o policial está em observação, mas fora de perigo.



O número de policiais mortos neste ano no Rio de Janeiro já supera em 10 o número dos que foram assassinados em 2016. Entre os policiais militares mortos em 2017, 18 estavam em serviço, 53 de folga e 17 já estavam reformados, na reserva.

Pedido de paz

O Disque-Denúncia colocou nas redes sociais um pedido de paz e um basta para a morte de policiais. O serviço apela à população para que ajude a localizar o chefe do tráfico de drogas no morro da Mangueira, Reginaldo dos Santos Sena, o Dedé, suspeito de ter comandado a ação contra os militares no morro do Telégrafo. O contato pode ser feito pelo WhatsApp ou pelo telefone 2253-1177. O anonimato é garantido.

O cabo Bruno Leonardo estava na Polícia Militar há seis anos, era casado e deixa uma filha e um enteado.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM