Jornal do Commercio
Nevasca

Neve cancela voos e brasileiros ficam presos em Bariloche

Bariloche registrou o record da menor temperatura dos últimos 50 anos

Publicado em 17/07/2017, às 21h13

Nevasca em Bariloche impede decolagens  / Foto: AFP
Nevasca em Bariloche impede decolagens
Foto: AFP
Estadão Conteúdo

Destino de brasileiros nas férias de julho, Bariloche, na Argentina, registrou a menor temperatura dos últimos 50 anos. Segundo o Serviço Meteorológico Nacional, a temperatura mínima chegou a -25,4°C, com -29ºC de sensação térmica.

E a neve, que costuma atrair os turistas, se transformou em pesadelo para os que se viram impedidos de decolar. A tempestade que atingiu a região no último fim de semana foi a maior em 27 anos e afetou vários serviços na cidade, levando até ao cancelamento de voos, durante a alta temporada.

A obstetra Liduina Rocha foi uma das turistas afetadas pelo inconveniente. Ela e o marido ficaram impedidos de voar. Segundo a brasileira, ao menos 300 pessoas esperavam por respostas das companhias aéreas no aeroporto Teniente Luis Candelaria desde o último sábado (15).

"Somos muitos aqui. Meu marido estava agora mesmo com o grupo, tentando fazer um protesto. Estamos organizando um ônibus para irmos a Buenos Aires", desabafa a turista.



Na sexta-feira, Liduina e a família esperaram durante toda a madrugada uma resposta da companhia aérea sobre o cancelamento até decidirem ir a um hotel por conta própria. "Voltamos no sábado e ficamos até a noite, quando todos os voos foram cancelados. Consegui um apartamento por dois dias", relata.

Com a instabilidade do clima, o aeroporto voltou a ser fechado na tarde desta segunda-feira, 17. A cidade está com quase 100% de ocupação e Liduina diz que a "situação é caótica e ninguém tem informações seguras."

Alternativa

Sobre a alternativa de sair da cidade por terra e os riscos que isso poderia representar ao encarar uma estrada com neve, ela afirmou que situação está insustentável. "Estamos avaliando essa possibilidade depois de 4 dias. Estamos com os filhos aqui, já no limite", desabafou.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Fabricio,03/08/2017

O problema infelizmente é que as Cias não estão nem aí com os passageiros. Eu tive um problema com atrasos recentes e até hoje sem resposta. Os advogados do http://www.ltsa.com.br estão me ajudando muito com isso, mas fico muito triste em ver isso se repetindo.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM