Jornal do Commercio
RECONHECEU O ERRO

Colunista que escreveu crônica sobre estagiária pede perdão

De acordo com o jornalista Guilherme Goulart, autor do texto, a personagem 'Melissinha' foi criada para mostrar como as mulheres sofrem assédio em diferentes locais

Publicado em 12/09/2017, às 22h18

Crônica saiu nas versões online e impressa do Correio Brasiliense. No site, o texto foi retirado do ar / Foto: Reprodução/Internet
Crônica saiu nas versões online e impressa do Correio Brasiliense. No site, o texto foi retirado do ar
Foto: Reprodução/Internet
JC Online

Uma personagem inventada para demonstrar os assédios a que mulheres estão sujeitas todos os dias, seja no ambiente de trabalho, na rua e até mesmo em casa. Essa foi a justificativa dada pelo jornalista Guilherme Goulart para a publicação do texto "Crônica da Cidade: o primeiro dia de trabalho de Melissinha", na edição dessa segunda (11) nas versões online e impressa do jornal Correio Brasiliense. O texto, muito criticado nas redes sociais por expor uma estagiária de apenas 19 anos, descrevendo-a pelas partes do seu corpo ("decotinho perverso", "coxas de fora", balançar dos quadris"), foi retirado do ar do site do Correio após a chuva de reclamações dos internautas.

"Em 40 anos de vida e em 21 de profissão, sempre pautei minhas atitudes pelo respeito às mulheres. A minha mãe me ensinou isso. Os meus dois pais reforçaram isso. E, quando tive a oportunidade, usei o espaço do jornal para reverenciá-las", afirmou o colunista em um texto de desculpas, intitulado "Crônica da Cidade: Um erro sem perdão", publicado na madrugada desta terça (12), no site do Correio Brasiliense. De acordo com o jornalista, a força das suas palavras não foram mensuradas e, o que deveria ser apenas uma demonstração do dia a dia de muitas mulheres, transformou-se em um texto que constrangeu não somente a mãe, avós, mulher, filhas e amigas de Guilherme Goulart, como ele diz no texto de desculpas, mas também muitas daquelas que leram a crônica, compartilhada dezenas de vezes no Facebook.



Apesar de no texto sobre a chegada da nova estagiária do caderno de Cidades do Correio Brasiliense, apelidada de Melissinha, não deixar claro que se tratava de uma personagem, o jornalista autor da crônica defende essa tese. "Até hoje, só tive dois chefes homens na minha carreira. Portanto, aprendi mais com elas do que com eles. E sinto bastante, neste momento, por tê-las decepcionado".

Reflexão

Ao final da crônica de desculpas, Guilherme Goulart afirma que todas as críticas que recebeu, "e-mail, por WhatsApp, pelo Facebook, etc" fizeram com que ele refletisse sua atitude. "Fiz questão de ler todas [mensagens de indignação], do início ao fim. E peço as mais sinceras desculpas. Pois acredito que esse seja o melhor caminho para a transformação necessária para que as minhas filhas cresçam em um mundo em que não haja espaço para situações como a narrada por mim, nem textos equivocados como o meu".


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Mundo de Rafa O Mundo de Rafa
Rafael foi diagnosticado com síndrome de Asperger apenas aos 11 anos. Seus desenhos contam pedaços muito importantes da sua história. Exprimem momentos de alegria, de comemoração e também de desabafo, de dor
Gastos dos parlamentares pernambucanos Gastos dos parlamentares pernambucanos
Os deputados federais da bancada pernambucana gastaram, no 1º semestre deste ano, R$ 5,1 milhões em verbas de cotas parlamentares. Já os senadores gastaram R$ 692 mil. Os dados foram coletados com base no portal da transparência da Câmara e do Senado
Um metrô ainda renegado Um metrô ainda renegado
São 32 anos de operação e uma eterna luta por sobrevivência. Esse é o metrô do Recife

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM