Jornal do Commercio
RECONHECEU O ERRO

Colunista que escreveu crônica sobre estagiária pede perdão

De acordo com o jornalista Guilherme Goulart, autor do texto, a personagem 'Melissinha' foi criada para mostrar como as mulheres sofrem assédio em diferentes locais

Publicado em 12/09/2017, às 22h18

Crônica saiu nas versões online e impressa do Correio Brasiliense. No site, o texto foi retirado do ar / Foto: Reprodução/Internet
Crônica saiu nas versões online e impressa do Correio Brasiliense. No site, o texto foi retirado do ar
Foto: Reprodução/Internet
JC Online

Uma personagem inventada para demonstrar os assédios a que mulheres estão sujeitas todos os dias, seja no ambiente de trabalho, na rua e até mesmo em casa. Essa foi a justificativa dada pelo jornalista Guilherme Goulart para a publicação do texto "Crônica da Cidade: o primeiro dia de trabalho de Melissinha", na edição dessa segunda (11) nas versões online e impressa do jornal Correio Brasiliense. O texto, muito criticado nas redes sociais por expor uma estagiária de apenas 19 anos, descrevendo-a pelas partes do seu corpo ("decotinho perverso", "coxas de fora", balançar dos quadris"), foi retirado do ar do site do Correio após a chuva de reclamações dos internautas.

"Em 40 anos de vida e em 21 de profissão, sempre pautei minhas atitudes pelo respeito às mulheres. A minha mãe me ensinou isso. Os meus dois pais reforçaram isso. E, quando tive a oportunidade, usei o espaço do jornal para reverenciá-las", afirmou o colunista em um texto de desculpas, intitulado "Crônica da Cidade: Um erro sem perdão", publicado na madrugada desta terça (12), no site do Correio Brasiliense. De acordo com o jornalista, a força das suas palavras não foram mensuradas e, o que deveria ser apenas uma demonstração do dia a dia de muitas mulheres, transformou-se em um texto que constrangeu não somente a mãe, avós, mulher, filhas e amigas de Guilherme Goulart, como ele diz no texto de desculpas, mas também muitas daquelas que leram a crônica, compartilhada dezenas de vezes no Facebook.



Apesar de no texto sobre a chegada da nova estagiária do caderno de Cidades do Correio Brasiliense, apelidada de Melissinha, não deixar claro que se tratava de uma personagem, o jornalista autor da crônica defende essa tese. "Até hoje, só tive dois chefes homens na minha carreira. Portanto, aprendi mais com elas do que com eles. E sinto bastante, neste momento, por tê-las decepcionado".

Reflexão

Ao final da crônica de desculpas, Guilherme Goulart afirma que todas as críticas que recebeu, "e-mail, por WhatsApp, pelo Facebook, etc" fizeram com que ele refletisse sua atitude. "Fiz questão de ler todas [mensagens de indignação], do início ao fim. E peço as mais sinceras desculpas. Pois acredito que esse seja o melhor caminho para a transformação necessária para que as minhas filhas cresçam em um mundo em que não haja espaço para situações como a narrada por mim, nem textos equivocados como o meu".


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM