Jornal do Commercio
ASSASSINATO

Polícia descobre mais um envolvido em morte de jovem que deu carona

Delegados alegaram que informação só foi dada após anúncio de encerramento de inquérito para não atrapalhar investigações sobre a morte de Kelly Cadamuro

Publicado em 14/11/2017, às 14h13

Família suspeitava que uma terceira pessoa estivesse dentro no carro / Foto: Reprodução/Facebook
Família suspeitava que uma terceira pessoa estivesse dentro no carro
Foto: Reprodução/Facebook
Estadão Conteúdo

A Polícia Civil de Minas Gerais informou, no início da noite dessa segunda-feira (13) ter identificado mais uma pessoa envolvida na morte de Kelly Cadamuro, de 22 anos, assassinada no início deste mês ao dar carona via aplicativo de celular.

Trata-se de um homem de São José do Rio Preto (SP), que ficaria com o carro da jovem - o que não ocorreu porque o assassino Jonathan Pereira do Prado, de 33 anos, que está preso, não conseguiu entregar o veículo, um Fox, ao comprador.

A novidade no caso foi revelada após familiares de Kelly questionarem a polícia por ter anunciado que o inquérito havia sido encerrado na última sexta-feira (10). Parentes da jovem chegaram a anunciar que contratariam um perito para analisar imagens de um pedágio por onde ela passou antes de ser morta porque suspeitavam que uma terceira pessoa estivesse dentro do carro, além dela e do assassino.

A alegação dos delegados é que o anúncio do encerramento das investigações teria sido uma estratégia para não chamar a atenção. E que a quebra do sigilo telefônico da vítima, uma reivindicação dos parentes, já havia sido requisitada à Justiça



Segundo a nova versão, o assassino ia entregar o carro quando soube, também via aplicativo de celular, que ele já constava como roubado e por isso decidiu abandoná-lo. Ele ficou apenas com o som e as rodas, que foram vendidas para duas pessoas que já tinham sido identificadas. A polícia agora busca esse suposto comprador.

Outra novidade descoberta com a quebra do sigilo foi que o assassino tentou pegar carona com outras mulheres para fugir, após matar a jovem. Ele, porém, não conseguiu porque elas teriam se recusado a buscá-lo. As mulheres foram ouvidas pela delegacia nesta segunda-feira.

Segundo as investigações, o homem matou a jovem por estrangulamento no caminho entre São José do Rio Preto (SP) e Itapagipe (MG). Ele viajava com ela porque conseguiu carona por meio de um grupo de WhastApp. A jovem havia saído do interior paulista para encontrar o namorado em Minas Gerais.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM