Jornal do Commercio
Vacinação

Após mortes por raiva humana, governo reforça vacinação no Amazonas

Cerca de 700 moradores das nove comunidades da Reserva Extrativista do Rio Unini devem ser imunizados

Publicado em 05/12/2017, às 19h35

Aproximadamente 270 pessoas informaram que foram atacadas por morcegos nos últimos 12 meses / Foto: Agência Brasil
Aproximadamente 270 pessoas informaram que foram atacadas por morcegos nos últimos 12 meses
Foto: Agência Brasil
Agência Brasil

Cerca de 700 moradores das nove comunidades da Reserva Extrativista do Rio Unini, em Barcelos, no Amazonas, devem ser imunizados com vacina antirrábica humana nos próximos dias. A medida foi autorizada pelo Ministério da Saúde em resposta à solicitação da Fundação de Vigilância em Saúde do Estado do Amazonas. Uma criança e um adolescente da mesma família morreram nos últimos 15 dias vítimas da raiva humana. Outro adolescente, irmão dos que faleceram, está internado em estado grave com o mesmo diagnóstico. Os três podem ter sido contaminados pelo vírus da raiva após serem mordidos por morcegos.

600 doses

A Fundação de Vigilância em Saúde do Estado do Amazonas enviou nesta terça-feira (5) mais 600 doses da vacina antirrábica humana para a Secretaria de Saúde de Barcelos, totalizando 3,1 mil doses desde o início do surto na comunidade. Segundo levantamento do órgão municipal, aproximadamente 270 pessoas informaram que foram atacadas por morcegos nos últimos 12 meses. Estas pessoas já tomaram três doses da vacina e devem receber a última dose até o dia 13 de dezembro.



Para os moradores que não foram mordidos por morcegos, será aplicada uma vacina de pré-exposição. A intenção é garantir 100% de cobertura. Além da imunização dos moradores da região, estão sendo reforçadas as ações de vacinação de animais domésticos, inclusive nas comunidades onde não há casos de agressão por morcegos.

As equipes de saúde enfrentam dificuldades de acesso às comunidades da Reserva Extrativista do Rio Unini. A região só é acessível por meio de barcos, que no período de seca precisam transpor corredeiras e bancos de areia em trajetos de quase 12 horas. As ações têm o apoio do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM