Jornal do Commercio
Segurança

Jungmann: Assassinato de Marielle aponta para envolvimento da milícia

Perguntado se descartaria o envolvimento de vereadores no crime, ele disse que nenhuma hipótese deve ser descartada

Publicado em 16/04/2018, às 15h19

Marielle e Anderson foram mortos no dia 14 de março, no bairro do Estácio, no Rio de Janeiro. / Foto: Reprodução
Marielle e Anderson foram mortos no dia 14 de março, no bairro do Estácio, no Rio de Janeiro.
Foto: Reprodução
Agência Brasil

As investigações do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes apontam para o envolvimento da milícia, disse nesta segunda-feira (16) o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann.

"As investigações avançam. Estão partindo de um grande conjunto de hipóteses e afunilando. E uma das possibilidades que têm crescido é que seja um crime ligado às milícias", apontou.

Perguntado se descartaria o envolvimento de vereadores no crime, o ministro disse que nenhuma hipótese deve ser descartada. "Acho que não podemos descartar nada. Sobretudo se existem áudios, se existem informações, que possam levar a qualquer responsabilização", destacou.

Marielle e Anderson foram mortos no dia 14 de março, no bairro do Estácio, quando o carro em que estavam foi alvejado 13 vezes. Os assassinos estavam seguindo a vereadora desde a Lapa, onde ela participou de seu último compromisso político.



Alerta Brasil

O ministro Jungmann participou da ampliação do sistema Alerta Brasil, que monitora eletronicamente as placas dos carros. Atualmente, o sistema conta com três pontos de fiscalização no Rio de Janeiro. Serão incluídos mais 18 locais, totalizando 21 pontos de controle eletrônico nas rodovias federais do estado. Em todo o país, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) deverá contar com mais de 300 pontos de checagem.

Com a ampliação do Alerta Brasil, o número de veículos roubados recuperados deve aumentar. Para denúncias, a PRF pode ser acionada pelo telefone 191.

Em 2017, a PRF recuperou mais de 7 mil veículos roubados em todo o país. Somente no Rio de Janeiro, foram quase 20% do total de veículos recuperados. O monitoramento e fiscalização eletrônica das rodovias federais é associado ao trabalho de análise de inteligência. As abordagens tornam-se mais eficientes e possibilitam melhores resultados no policiamento.


Recomendados para você


Comentários

Por ROBERTO DE OLIVEIRA,16/04/2018

Nesse país sem seriedade, os papéis se invertem. Quantas pessoas de bem, pais de família, policiais, crianças etc. morrem, vítimas de violência e não se dá importância alguma. A mídia e os direitos "desumanos" não fazem a mesma divulgação. Acorda Brasil.

Por Simone,16/04/2018

Haroldo , você nunca ouviu falar que a imprensa é um "puxadinho" da esquerda ???

Por haroldo,16/04/2018

Porque se dá tanta importância para a morte de uma pessoa que não tem importância nenhuma? Porque ao contrário não se apuram as mortes de centenas de policiais por todo o Brasil e de outras milhares de pessoas trabalhadoras e que contribuíam com seu trabalho para o país, ao contrário desa senhora?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM