Jornal do Commercio
ESCRAVIDÃO

Patroa manteve empregada trancada e sem comer em Copacabana, diz MPF

A empregada só tinha permissão para se sentar no chão, ''para não ter que passar álcool para limpar as cadeiras", dizia a patroa ainda a xingando de suja

Publicado em 14/05/2018, às 15h46

A empregada doméstica não tinha direito a almoço nem folga, trabalhava das 7h à meia-noite / Foto: Diego Nigro/ JC Imagem
A empregada doméstica não tinha direito a almoço nem folga, trabalhava das 7h à meia-noite
Foto: Diego Nigro/ JC Imagem
ABr

Uma mulher foi denunciada pelo Ministério Público Federal (MPF) por ter mantido uma empregada doméstica presa, sem comida e em condições análogas à escravidão, em sua casa em Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro. Os fatos ocorreram entre dezembro de 2010 e fevereiro de 2011 e as identidades da vítima e da denunciada não foram reveladas pelo MPF.

A denunciada foi acusada de reduzir a vítima à condição análoga à escravidão, de frustrar seus direitos trabalhistas mediante fraude ou violência, e de tortura, por submetê-la, com emprego de violência ou grave ameaça, a intenso sofrimento físico ou mental, como forma de aplicar castigo pessoal ou medida de caráter preventivo.

A vítima e a denunciada se mudaram de Brasília para o Rio de Janeiro em dezembro de 2010, e a empregada doméstica passou a residir na casa da patroa, narra a denúncia. Uma semana depois, a empregada doméstica adoeceu e a acusada aplicou-lhe uma suspensão de cinco dias de salário.

"Além disso, como forma de castigo/punição, a denunciada privou a vítima de alimentação e de liberdade de locomoção durante sete dias, trancando a porta da cozinha que dava acesso à área de serviço", diz a denúncia do MPF-RJ. O caso demorou a chegar ao MPF porque primeiro foi erroneamente encaminhado ao Ministério Público do estado.



Jornada exaustiva, dívidas e ameaça

A empregada doméstica não tinha direito a almoço nem folga, trabalhava das 7h à meia-noite e era obrigada a se sentar apenas no chão. Segundo a denúncia, a mulher era xingada de suja, e a patroa a proibia de sentar "para não ter que passar álcool para limpar as cadeiras"

A vítima também tinha sua vida ameaçada pela patroa, que afirmava que qualquer bandido aceitaria R$ 50 para agredi-la ou R$ 100 para matá-la. Além disso, ela era impedida de sair e ainda tinha seu salário descontado sob acusação de ter danificado bens e comprado móveis usados que eram da patroa.

"Assim, a denunciada submeteu a vítima a servidão por dívida, proibindo-a de rescindir o contrato de trabalho (e deixar o local de trabalho) enquanto não pagasse pelos móveis que comprou, além de um vaso que supostamente teria quebrado, ameaçando atingir a integridade física da vítima"


Recomendados para você


Comentários

Por ronaldo,15/05/2018

É o "auge" do neoliberalismo "direitoso"!!!!! Cadeia nessa pilantra!!!!!

Por Pedro,15/05/2018

Deve ser mais uma batedora de panela que foi para avenida gritar “fora Dilma”. Bando de hipocritas !!!!!!

Por Glauce,15/05/2018

Não consigo aceitar tanta brutalidade dessa, e depois essa rapariga vai bater panela na janela, não tem moral para nada. Devia ser presa e passar pelo mesmo sofrimento.

Por Miller,15/05/2018

Realmente, a reportagem peca em não mostrar a cara dessa vadia, que deve pagar por todos esses crimes cometidos. Tem gente que, pela maldade e perversidade que há em seu coração, mais se assemelha ao demônio. Cadeia pra essa "criatura" é pouco!

Por Andrea,15/05/2018

Porque não mostram a cara dessa sujeita criminosa para que a sociedade possa ver quem é ?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus
O JC preparou um hotsite especial em homenagem ao ator e diretor Jose Pimentel, o eterno Jesus Cristo do teatro pernambucano
Nordeste Renovável Nordeste Renovável
Com a força dos ventos e a incidência solar, o Nordeste desponta como oásis. Não só para o turismo, nem apenas no Litoral. Na geração de energia sustentável está a nova fonte de riqueza da Região, principalmente no interior
Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM