Jornal do Commercio
Saúde

ONU alerta para ressurgimento da epidemia de cólera no Haiti

A epidemia de cólera já matou 8.800 pessoas desde outubro de 2010

Publicado em 07/05/2015, às 17h21

Da AFP

O Haiti vive um forte ressurgimento da epidemia de cólera que ameaça minar os progressos realizados nos últimos anos na luta contra a doença - alertou nesta quinta-feira (7) um alto funcionário da ONU.

Em entrevista à AFP, o coordenador da luta contra a cólera no Haiti, Pedro Medrano, previu que até 2015 haverá "mais de 50.000 novos casos" da doença no país. 

O número de afetados tinha caído de 60.000 em 2013 para 28.000 no ano passado, o nível mais baixo desde o início do surto em outubro de 2010.

"Infelizmente, devido à falta de recursos e por causa da estação das chuvas, passamos nos últimos seis meses de 1.000 novos casos por mês para cerca de 1.000 casos por semana", o que equivale a 11.721 casos e 113 mortes entre 1º de janeiro e 28 de março, explicou. Além disso, uma nova temporada de chuvas no início de junho poderia acelerar a tendência.

Acrescente a isso a saída de várias ONGs do país e a queda no número de centros de tratamento, que passaram de 250 em 2011 para 159 em 2014. 

A epidemia de cólera já matou 8.800 pessoas desde outubro de 2010, entre 736.000 casos notificados. 

Peritos independentes concluíram que a epidemia foi introduzida por soldados Capacetes Azuis nepaleses, cujos excrementos poluíram um rio no norte de Porto Príncipe. No entanto, até agora, a ONU se recusou a reconhecer oficialmente sua responsabilidade, apesar das queixas apresentadas pelas vítimas.

 

Concorrência com Ebola

"Para a comunidade de doadores, a cólera já não é mais uma urgência" após quatro anos de luta contra a epidemia, lamentou Medrano. "O risco é que todo o progresso que fizemos até agora seja anulado", acrescentou.

Ele também alertou sobre a ameaça de disseminação para países vizinhos como Cuba ou República Dominicana.

No entanto, para ele o combate à epidemia de cólera continua a ser uma verdadeira prioridade. "Se não formos capazes de tratá-la, poderá tornar-se um perigo para a paz e a estabilidade" na região, ressaltou.

Ele lembra que, após um surto semelhante que se originou no Peru na década de 1990, a América Latina "levou dez anos para se recuperar", embora os países afetados tivessem sistemas de saúde melhor do que o haitiano - país com 10 milhões de pessoas, entre os países mais pobres do mundo.

Medrano reconhece que a epidemia de Ebola na África tenha prejudicado o Haiti, uma vez que monopolizou a atenção do mundo. A isto se acrescenta a instabilidade crônica no Haiti que "desencoraja os doadores". Embora "isso não deva ser uma desculpa", afirmou.

A ONU lançou um vasto programa de 2.200 bilhões em 10 anos para melhorar a infra-estrutura de saúde do país, mas falta dinheiro para tratar os doentes e prevenir o surgimento de novos casos.

As Nações Unidas planejam vacinar 300.000 pessoas este ano, mas ainda precisa de 1,9 bilhões de dólares para cumprir esta meta. Ao todo, a ONU ainda precisa de 36,5 milhões de dólares em 2015 para combater a epidemia.

É por esta razão que Pedro Medrano começou uma turnê que já o levou a Cuba, um importante fornecedor de medicamentos para o Haiti, e na próxima semana vai até Suíça, Áustria e França, que detêm "assistência técnica para fortalecer as instituições nacionais" no Haiti.

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM