Jornal do Commercio
Saúde

Epidemia de cólera deixa 18 mortos no Sudão do Sul

No ano passado, pelo menos 167 pessoas morreram entre mais 6.400 casos detectados em uma epidemia

Publicado em 23/06/2015, às 08h00

Doença começou a se espalhar nos campos lotados da ONU na capital, Juba / Foto: Reprodução/ Google Street View

Doença começou a se espalhar nos campos lotados da ONU na capital, Juba

Foto: Reprodução/ Google Street View

Da AFP

Uma epidemia de cólera deixou pelo menos 18 mortos desde o início de junho no Sudão do Sul, que sofre há um ano e meio com uma guerra civil, anunciou o ministério da Saúde.

A epidemia começou nos campos lotados da ONU na capital, Juba, onde milhares de pessoas buscaram refúgio desde o início da guerra civil, afirmou o ministro Riek Gai Kok. Outros casos foram detectados fora da cidade.

Pelo menos 167 pessoas morreram entre mais 6.400 casos detectados em uma epidemia no ano passado, mas o problema foi contido.

"Os exames de laboratório confirmaram que há uma epidemia de cólera", disse Riek Gai Kok, antes de assegurar que o governo está melhor preparado para lidar com o problema.

Conter a epidemia de cólera - transmitida através da água potável ou de alimentos contaminados - representará um novo desafio para o governo e as agências de cooperação. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e as ONGs organizam uma campanha de vacinação para mais de 100.000 pessoas, segundo o ministério da Saúde.

Desde o início da guerra civil em dezembro de 2013, mais de dois milhões de pessoas fugiram de suas casas e mais de 137.000 civis vivem atualmente nos campos da ONU. Dois terços da população de 12 milhões de pessoas precisam de ajuda, segundo a ONU.

A guerra civil começou quando o presidente Salva Kiir acusou o ex-vice-presidente Riek Machar de planejar um golpe, o que provocou uma onda de violência étnica.

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM