Jornal do Commercio
embaixada

Equador confirma que cortou acesso à internet de Julian Assange

O Equador divulgou que restringiu o acesso Assange à internet em meio as preocupações de que o fundador do WikiLeaks está interferindo na eleição dos EUA

Publicado em 19/10/2016, às 10h32

Mesmo com Assange sem internet, o WikiLeaks continuou com suas operações / Foto: AFP
Mesmo com Assange sem internet, o WikiLeaks continuou com suas operações
Foto: AFP
Estada

O Equador divulgou que restringiu o acesso de Julian Assange à internet em sua embaixada em Londres em meio as preocupações de que o fundador do WikiLeaks, que vive no local desde que ganhou asilo político do país, em 2012, está interferindo na eleição presidencial dos Estados Unidos. 

O WikiLeaks publicou centenas de e-mails que detalham as decisões internas da campanha presidencial de Hillary Clinton. Mesmo com Assange sem internet, o WikiLeaks continuou com suas operações.

Embora o presidente equatoriano, Rafael Correa, tenha disso ao canal de televisão Russia Today, no final de setembro, que ele prefere Hillary como presidente dos EUA do que o candidato republicano Donald Trump, o ministério de Relações Exteriores do país declarou que não tem nenhum candidato como preferido. 

A decisão de cortar o acesso à internet de Assange foi com o intuito de prevenir interferências nos "assuntos internos de outros países", disse o ministério equatoriano. 

WikiLeaks

O WikiLeaks informou na terça-feira, pelo Twitter, que o Secretário de Estado dos EUA, John Kerry, pediu às autoridades do Equador para impedir Assange de publicar mais e-mails de Hillary. O órgão norte-americano negou que fez pressão sobre o país e o governo equatoriano disse que suas decisões de política externa não são influenciadas por pressão de outros países. 

"O Equador exerceu seu direito de soberania ao restringir temporariamente o acesso à sua rede de comunicação privada dentro da embaixada no Reino Unido", informou o ministério. "Essa restrição temporária não impede a organização WikiLeaks de continuar realizando suas atividades jornalísticas", declarou. Fonte: Dow Jones Newswires.

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM