Jornal do Commercio
FURACÃO

Registrados 800 casos de cólera no Haiti após passagem de Matthew

''O número de casos de cólera aumentou depois do furacão'', declarou o representate da OMS no Haiti

Publicado em 19/10/2016, às 14h49

Segundo OMS, foram registrados 773 casos de cólera em todo o país entre 9 e 15 de outubro / Foto:HECTOR RETAMAL / AFP
Segundo OMS, foram registrados 773 casos de cólera em todo o país entre 9 e 15 de outubro
Foto:HECTOR RETAMAL / AFP
AFP

Cerca de 800 casos de cólera foram registrados em uma semana no Haiti após a passagem do furacão Matthew, anunciou nesta quarta-feira a Organização Mundial da Saúde (OMS).

"O número de casos de cólera aumentou depois do furacão", declarou Jean-Luc Poncelet, representante da OMS no Haiti.

Em uma conferência telefônica com jornalistas na ONU em Genebra, Poncelet explicou que as autoridades e a OMS "tinham tido problemas para enviar as amostras" de casos de suspeita de cólera.

Desde terça-feira, porém, este sistema que permite confirmar a doença voltou a estar operativo, permitindo "confirmar que grande parte destes casos (de suspeita) são casos confirmados de cólera", afirmou o médico.

Segundo a OMS, que cita dados do Ministério da Saúde haitiano, foram registrados 773 casos de cólera em todo o país entre 9 e 15 de outubro, 464 deles no departamento do Sul e 167 no departamento da Grand'Anse.

Em 2010

A epidemia de cólera começou no Haiti em 2010, chegando a mais de 300.000 casos em 2011, e diminuiu para menos de 30.000 nos últimos anos. Antes do furacão Matthew, mais de 28.000 casos tinham sido constatados.

Mais de dois milhões de pessoas foram afetadas pela passagem de Matthew, e 1,4 milhão precisaram de assistência imediata, segundo Poncelet, que explicou que cerca de 200.000 haitianos moram em zonas montanhosas de acesso "muito difícil".

Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM