Jornal do Commercio
XENOFOBIA

Estudante recifense denuncia agressão por xenofobia em Portugal

Iran Barbosa ,24, cresceu no País e cursa mestrado em uma universidade portuguesa; caso foi denunciado pela mãe nas redes sociais

Publicado em 28/02/2017, às 19h59

Jovem foi atingido principalmente no rosto  / Foto: Reprodução/Facebook
Jovem foi atingido principalmente no rosto
Foto: Reprodução/Facebook
JC Online

A advogada recifense Micheline Noêmia contou em seu perfil no Facebook que o filho dela, Iran Barbosa, 23, foi vítima de um ataque xenofóbico em Covilhã, Portugal. Segundo a publicação, o estudante foi chamado de 'brazuca' e atingido por vários golpes, principalmente no rosto. O episódio ocorreu na madrugada desta terça-feira (28).

"Xenofobia!!!! Meu filho, Iran Barbosa foi vítima de xenofobia, dois portugueses o atacaram quando chegava em casa, sozinho, esta madrugada", relatou.

Em entrevista ao JC, a advogada contou que apesar de melhor fisicamente e mais calmo, Iran ainda está com algumas partes do rosto machucadas e dificuldades para se alimentar. O estudante cresceu em Lisboa, capital portuguesa, e em 2007 voltou com a família ao Recife. Há um ano e cinco meses, ele foi aprovado para cursar um mestrado em Design e Desenvolvimento de Jogos em uma instituição no País. Segundo Micheline, o jovem ainda não procurou os órgãos competentes para denunciar o caso, e nem pensa em retornar. 

"Foi hoje de madrugada e ele disse que queria apenas dormir. Falta pouco para ele terminar o mestrado, meu filho está lá há um ano e cinco meses, cresceu em Lisboa", relatou. 

Racismo

A mãe do estudante afirma também que não há dúvidas de que o ataque também foi racista. 

"Simplesmente por sua cor de pele, cabelo cacheado amarrado, usar brincos. Infelizmente, é algo estrutural e presente na nossa sociedade. Sobretudo, com os latinos e brasileiros. Optamos por tornar pública essa denúncia para que outras pessoas também não sejam vítimas destas agressões", afirmou. 

A advogada ressalta que a xenofobia é um crime recorrente em outros países, especialmente contra brasileiros. Apesar disso, o assunto ainda é pouco debatido no Brasil.

"Ele é um rapaz muito bom e não está com raiva, nem revolta. Por isso, pedi a ele pra divulgar e ajudar outras pessoas, inclusive. Quando divulguei o que aconteceu, realmente foi com a intenção que se fale sobre isso, pois em todos os países estão aparecendo cada vez mais casos como estes, agressão gratuita. Na Europa, nos EUA, esse é um assunto em pauta", disse ela. 

 

Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Josias ,01/03/2017

Brazuka é uma forma carinhosa que os Europeus chamam o brasileiros .... é como chamar uma pessoa parda ou negra de "moreninho" aqui no Brasil. Agora é muito estranho o estudante não querer procurar a polícia ..... Acho que isso deveria ser investigado, pois até agora só temos o depoimento de uma mãe que encontra-se revoltada com o ocorrido. Acho que esse caso deve ser investigado.

Por Paulo,01/03/2017

Está mais do que na hora dos Brasileiros aprenderem a amar o próprio país e lutar para que o Brasil melhore. Não temos que estar nos países dos outros mendigando asilo como se fosse um refugiado. Aprendam a valorizar mais o país que moram ..... . A respeito do caso: Vamos aguardar as investigações da polícia portuguesa, pois na matéria mostra apenas o depoimento do Brasileiro ..... . A respeito do comentário do Diogo: Nesse caso não é crime de racismo, mas talvez um possível crime de Injúria Racial que mesmo assim depende de representação da vítima. Se a ficar comprovada que a intenção foi da internauta Marta foi ofender. . O problema do Brasil é a população que não sabe votar direito .... Além de termos os políticos mais corruptos do mundo.

Por Manoel,01/03/2017

Gostaria de ter acesso ao outro lado da moeda para poder formatar um valor de juízo, a princípio uma mãe diz o que quer sobre uma possível agressão sem motivos a seu filho, classificando-a como xenófoba, não lembro de ter lido alguma alegação do próprio filho sobre o assunto, apenas que queria dormir após o fato. Chamar alguém de Brazuca é xenofobia? o que aconteceu no rolê que o garoto deu antes de chegar em casa de madrugada? Hábitos, ou melhor, maus hábitos de brasileiros não são muito bem aceitos em países europeus. É de bom alvitre que autoridades apurem o ocorrido, o que me parece que a "vítima" não acha interessante que aconteça!

Por Diogo,01/03/2017

A Marta que fez o primeiro comentário nessa matéria cometeu um crime. Racismo é crime. É incrível como numa matéria sobre xenofobia surge uma racista que se vê no direito de difundir sua estupidez. Bananense, bananice, se relaciona com macaco, macaquice e com república das bananas. (Comentário racista e que alimenta a ideia do Brasil como país inferior).

Por marta,01/03/2017

Bananense fazendo bananice na Europa... Resultado...



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus
O JC preparou um hotsite especial em homenagem ao ator e diretor Jose Pimentel, o eterno Jesus Cristo do teatro pernambucano
Nordeste Renovável Nordeste Renovável
Com a força dos ventos e a incidência solar, o Nordeste desponta como oásis. Não só para o turismo, nem apenas no Litoral. Na geração de energia sustentável está a nova fonte de riqueza da Região, principalmente no interior
Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM