Jornal do Commercio
Aplicativo

Uber e motoristas travam disputa por sindicalização em Seattle

Empresa sugere que pode até abandonar a cidade americana caso o sindicato seja criado

Publicado em 12/03/2017, às 19h11

Empresa alega que criação de sindicato pode ser prejudicial ao formato / Diogo Cavalcante/JC
Empresa alega que criação de sindicato pode ser prejudicial ao formato
Diogo Cavalcante/JC
Estadão Conteúdo

Autorizados judicialmente a criar um sindicato próprio, motoristas vinculados ao Uber em Seattle, nos Estados Unidos, têm recebido mensagens e gravações produzidas pela companhia, que tenta impedir a sindicalização. O conteúdo compartilhado tem como objetivo convencê-los de que a iniciativa seria ruim aos próprios motoristas.

O Uber alega que a criação do sindicato pode ameaçar a liberdade dos motoristas em trabalhar o tempo que desejarem, sendo muitas ou poucas horas. "É totalmente impossível saber como o sindicato pode limitar o motorista, quando e onde ele poderá dirigir, até mesmo quanto de contribuição será cobrado", afirma um gerente da empresa na região. Numa série de podcasts, executivos entrevistam motoristas e dizem que estão trabalhando para aumentar o uso de informações e reclamações dos 'motoristas parceiros' no negócio.

Uma legislação aprovada em 2015 entrou em vigência neste ano, concedendo a 10 mil ou mais motoristas o direito de negociar tarifas e benefícios. Se criado, esse seria o primeiro sindicato de funcionários de um aplicativo no país.

A questão ganhou um tom ainda mais urgente após representantes dos motoristas entrarem em contato com o Uber e seu concorrente Lyft solicitando os dados cadastrais dos profissionais. Enquanto isso, a lei que autoriza a criação do sindicato têm sido contestada nas cortes, inclusive com ações apresentadas pela Câmara Norte-Americana de Comércio e por um grupo de 11 motoristas do Uber vinculados ao Comitê Nacional do Direito ao Trabalho.

Defensores da criação do sindicato dizem que a medida garantiria salários e condições de trabalho mais consistentes, além de impedir que os aplicativos façam alterações súbitas nas tarifas. O Uber chegou a sugerir que pode, caso o sindicato seja de fato criado, encerrar as atividades em Seattle.

Outros problemas

A sindicalização dos motoristas, entretanto, não é o único problema encarado pela empresa de caronas remuneradas. Entre as recentes dificuldades estão acusações de assédio sexual feitas por uma ex-engenheira da firma, um processo judicial movido pela Alphabet alegando roubo de informações e um vídeo em que o CEO da empresa, Travis Kalanick, aparece tendo uma discussão acalorada com um motorista. 

Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM