Jornal do Commercio
NOVA ZELÂNDIA

Cachorro farejador de bombas é morto pela polícia em aeroporto

Grizz, de 10 meses, estava sendo treinado para detectar explosivos quando escapou dos treinadores e foi parar na área da pista

Publicado em 17/03/2017, às 19h46

Grizz estava a seis meses de finalizar o treinamento / Foto: Aviation Security Service of New Zealand/Handout via Reuters
Grizz estava a seis meses de finalizar o treinamento
Foto: Aviation Security Service of New Zealand/Handout via Reuters
JC Online

Um cachorro detector de bombas foi morto pela polícia da Nova Zelândia nesta sexta-feira (17). Grizz, de 10 meses, estava sendo treinado para detectar explosivos quando escapou dos treinadores e foi parar na área da pista. O animal estava a seis meses de finalizar o treinamento. A saída, segundo termo utilizado por um porta-voz do aeroporto, foi 'destruir o cão'.

"Tentamos de tudo: comida, brinquedos, outros cachorros, mas nada funcionou. Nessas circunstâncias difíceis, o time do Centro de Operações de Emergência decidiu destruir o cão", afirmou o porta-voz.

Segundo a rede CNN, a equipe de funcionários do aeroporto relatou que dezesseis voos foram atrasados antes que o aeroporto concedesse autorização para que a polícia disparasse contra Grizz.

Defesa

Uma organização de defesa dos animais condenou a execução do animal, questionando por que o cachorro não foi imobilizado com tranquilizantes.

Um porta-voz da Autoridade de Aviação Civil (CAA) retrucou dizendo "não acreditar" que essa fosse uma opção viável. Através de sua conta no Twitter, o aeroporto de Auckland inicialmente divulgou que tinha capturado o cão, antes de informar, uma hora mais tarde, que ele tinha sido executado. 

Recomendados para você


Comentários

Por Odelsia Augusta das Chagas,22/01/2018

Vivemos em meio a uma humanidade desamorosa, desrespeitosa, desafetuosa. Uma verdadeira extinção de sentimentos para com o que está ao seu redor. Muitos esqueceram de olhar para os céus, onde é a morada de Deus.

Por Joselita Motta,17/03/2017

Infelizmente, os humanos não tem amor pelos animais. Eles podiam lançar um tranquilizante, mas, optaram por matar o animal que, com certeza deu tanta alegria para eles. Os humanos de hoje, só pensa em matar, matar e matar. Voltamos aos tempos dos BÁRBAROS, a idade média. Naqueles tempos, eles não tinham cultura, hoje tem, e matam por prazer.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM