Jornal do Commercio
NOVA ZELÂNDIA

Cachorro farejador de bombas é morto pela polícia em aeroporto

Grizz, de 10 meses, estava sendo treinado para detectar explosivos quando escapou dos treinadores e foi parar na área da pista

Publicado em 17/03/2017, às 19h46

Grizz estava a seis meses de finalizar o treinamento / Foto: Aviation Security Service of New Zealand/Handout via Reuters
Grizz estava a seis meses de finalizar o treinamento
Foto: Aviation Security Service of New Zealand/Handout via Reuters
JC Online

Um cachorro detector de bombas foi morto pela polícia da Nova Zelândia nesta sexta-feira (17). Grizz, de 10 meses, estava sendo treinado para detectar explosivos quando escapou dos treinadores e foi parar na área da pista. O animal estava a seis meses de finalizar o treinamento. A saída, segundo termo utilizado por um porta-voz do aeroporto, foi 'destruir o cão'.

"Tentamos de tudo: comida, brinquedos, outros cachorros, mas nada funcionou. Nessas circunstâncias difíceis, o time do Centro de Operações de Emergência decidiu destruir o cão", afirmou o porta-voz.

Segundo a rede CNN, a equipe de funcionários do aeroporto relatou que dezesseis voos foram atrasados antes que o aeroporto concedesse autorização para que a polícia disparasse contra Grizz.

Defesa

Uma organização de defesa dos animais condenou a execução do animal, questionando por que o cachorro não foi imobilizado com tranquilizantes.

Um porta-voz da Autoridade de Aviação Civil (CAA) retrucou dizendo "não acreditar" que essa fosse uma opção viável. Através de sua conta no Twitter, o aeroporto de Auckland inicialmente divulgou que tinha capturado o cão, antes de informar, uma hora mais tarde, que ele tinha sido executado. 

Recomendados para você


Comentários

Por Odelsia Augusta das Chagas,22/01/2018

Vivemos em meio a uma humanidade desamorosa, desrespeitosa, desafetuosa. Uma verdadeira extinção de sentimentos para com o que está ao seu redor. Muitos esqueceram de olhar para os céus, onde é a morada de Deus.

Por Joselita Motta,17/03/2017

Infelizmente, os humanos não tem amor pelos animais. Eles podiam lançar um tranquilizante, mas, optaram por matar o animal que, com certeza deu tanta alegria para eles. Os humanos de hoje, só pensa em matar, matar e matar. Voltamos aos tempos dos BÁRBAROS, a idade média. Naqueles tempos, eles não tinham cultura, hoje tem, e matam por prazer.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM