Jornal do Commercio
EUROPA

Agressor de aeroporto em Paris estava sob efeito de álcool e drogas

O indivíduo, um francês de 39 anos identificado como Ziyed Ben Belgacem, tinha sido condenado várias vezes

Publicado em 19/03/2017, às 21h25

Homem atacou nessa sábado (18) uma patrulha militar no aeroporto parisiense de Orly / Foto: Reprodução/Google Maps
Homem atacou nessa sábado (18) uma patrulha militar no aeroporto parisiense de Orly
Foto: Reprodução/Google Maps
Estadão Conteúdo

O homem que atacou nessa sábado (18) uma patrulha militar no aeroporto parisiense de Orly, antes de ser abatido, estava sob os efeitos do álcool e de drogas no momento do incidente, indicou neste domingo (19) uma fonte judicial. 

"As análises toxicológicas realizadas neste domingo mostram uma taxa de alcoolemia de 0,93 gramas por litro de sangue e a presença de cannabis e cocaína", detalhou a fonte. 

O indivíduo, um francês de 39 anos identificado como Ziyed Ben Belgacem, tinha sido condenado várias vezes por roubo e tráfico de drogas. 

Ataque

Ben Belgacem atacou, no sábado, uma patrulha militar no terminal sul do aeroporto de Orly e foi abatido por um dos soldados. Durante o ataque, gritou: "Abaixem as armas! Coloquem as mãos na cabeça! Estou aqui para morrer por Alá. De qualquer forma vão ocorrer mortes".

"Meu filho nunca foi um terrorista. Nunca rezou e bebe álcool. E sob o efeito do álcool e da maconha aconteceu o que aconteceu", declarou neste domingo o pai de Ben Belgacem após ser liberado pela polícia, que o interrogou durante várias horas. 

"No sábado ele me telefonou às sete ou oito da manhã. Estava extremamente nervoso, nem mesmo sua mãe conseguia entender. Ele me disse: 'Pai, peço perdão, fiz uma estupidez com um gendarme'", contou.

"Eu respondi a ele que não, não te perdoo porque você atacou um gendarme", disse à radio Europe 1. 

O pai tentou saber onde seu filho estava, mas Ziyed Ben Belgacem disse apenas que "estava na autoestrada" e desligou.

Preocupado, o pai, junto ao seu outro filho, se dirigiu à delegacia para contar às autoridades o que estava acontecendo. 

"Quando cheguei à delegacia, percebi que a polícia tinha feito o seu trabalho. Não me disseram diretamente que ele havia morrido. É terrível, mas o que eu posso dizer? As más companhias, as drogas... No final, sou eu quem sofre" as consequências, declarou.

 

Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM