Jornal do Commercio
Descoberta

Autoridades retiram 47 crânios de fossa clandestina no México

Os trabalhos na fossa devem prosseguir e as autoridades pretendem divulgar informações nos próximos dias para que os parentes de desaparecidos possam realizar exames de DNA

Publicado em 20/03/2017, às 07h07

A fossa foi cavada em um prédio de El Arbolillo, no município de Alvarado, Golfo do México / Foto: Ilse Huesca/AFP
A fossa foi cavada em um prédio de El Arbolillo, no município de Alvarado, Golfo do México
Foto: Ilse Huesca/AFP
AFP

Um total de 47 crânios e vários pedaços de corpos foram exumados de uma fossa clandestina localizada no estado mexicano de Veracruz, onde foram desenterrados mais de 200 cadáveres sepultados de forma ilegal, anunciou no domingo o promotor Jorge Winclker.

A fossa foi cavada em um prédio de El Arbolillo, no município de Alvarado, Golfo do México, uma das rotas mais utilizada pelos narcotraficantes para transportar drogas e imigrantes aos Estados Unidos. 

O primeiro balanço divulgado pelas autoridades sobre a fossa, na sexta-feira, informava a retirada de 12 cadáveres.

"Múltiplas partes corporais"

Além dos crânios foram encontrados "múltiplas partes corporais" e há indícios claros de que entre as vítimas estão três integrantes de uma família de turistas mexicanos e dois jovens denunciados como desaparecidos em diferentes eventos violentos em 2016, afirmou o promotor.

Os trabalhos na fossa devem prosseguir e as autoridades pretendem divulgar informações nos próximos dias para que os parentes de desaparecidos possam realizar exames de DNA, indicou Winclker.

A fossa do município de Alvarado fica 95 km ao sul do porto de Veracruz, onde autoridades e pais que procuravam seus filhos desaparecidos localizaram em agosto um local similar, de onde foram exumados até o momento 242 cadáveres.

Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM