Jornal do Commercio
ISLÂNDIA

Mulher reencontra homem que a estuprou e os dois escrevem livro juntos, 20 anos depois

Thordis Elva foi estuprada por Tom Stranger há 20 anos, quando os dois ainda eram adolescentes e namoravam; caso virou livro e tema de palestras

Publicado em 20/03/2017, às 14h19

Thordis Elva e Tom Stranger  / Foto: Reprodução Youtube
Thordis Elva e Tom Stranger
Foto: Reprodução Youtube
JC Online

Vinte anos após ser estuprada, aos 16 anos, em 1996, a islandesa Thordis Elva decidiu marcar um reencontro com o seu abusador e escrever um livro com ele. A história, improvável e inusitada, vem criando polêmicas e suscitando discussões sobre o tema no País. Na época do ocorrido, ela e Tom Stranger, o abusador, eram namorados.

Os dois estavam juntos há cerca de um mês, quando decidiram experimentar rum pela primeira vez. Ela, com 16 anos, e ele, 19. Embriagada, a jovem viu a alegria pelo começo do romance se transformar em horror enquanto ele se aproveitava de sua fraqueza. Ela recorda que o então namorado a colocou na cama e começou a tirar suas roupas. 

“Meu pensamento estava mais claro, mas meu corpo ainda estava fraco demais para lutar, e a dor era tão forte. Eu achei que fosse ser rasgada ao meio”, relembrou. “Para me manter sã, eu contei silenciosamente os segundos no meu relógio de cabeceira. Desde aquela noite eu sei que tem 7.200 segundos em duas horas”, conta.

Thordis afirma que não quis denunciar o caso, apesar dos impactos físicos e psicológicos sofridos.

"Eu tinha 16 anos e estava apaixonada pela primeira vez na vida. Fiquei machucada e chorei muito por semanas, mas tudo era muito confuso para mim. Tom era meu namorado, não um lunático. E o estupro ocorreu na minha cama, não em uma viela. Quando finalmente concluí que havia sido estuprada, Tom já tinha voltado para a Austrália, ao final de seu programa de intercâmbio", relembra.

Nove anos após o estupro, ela decidiu entrar em contato com o abusador através de uma carta. Pela legislação da Islândia, nesse tempo, o crime já tinha prescrito. Ele respondeu confessando o episódio e afirmando que diria "o que fosse necessário". Os dois resolveram escrever um livro juntos para relatar o estupro e, segundo eles, mudar a visão da sociedade sobre a violência sexual, vista apenas como uma questão feminina.

“Tenho vagas lembranças do dia seguinte. Eu rejeitei a verdade convencendo-me de que era sexo e não estupro. Foi uma mentira da qual me senti culpado. Dizer a Elva que eu a estuprei mudou o acordo que eu havia feito comigo mesmo, assim como o dela. Ninguém deve subestimar o poder das palavras", contou Stranger, que diz enxergar no livro uma forma de encontrar o perdão.

“Mas o mais importante, a culpa da Elva foi transferida pra mim. Muitas vezes, a responsabilidade é atribuída a mulheres sobreviventes de violência sexual, e não aos homens que a cometeram. Fui criado em um mundo onde as meninas são informadas de que foram estupradas por alguma razão. Sua saia era muito curta, seu sorriso era muito grande, sua respiração cheirava a álcool. Mas eu era o culpado de todas essas coisas. Então, a vergonha tinha que ser minha", acrescentou ele.

Os dois agora participam de eventos ao redor do mundo e compartilham suas experiências sobre o estupro em uma palestra para a plataforma "TED". No vídeo de 19 minutos, disponível no site da organização, eles contam como foram impactados pelo caso. Intitulado “South of Forgiveness”, o livro escrito pela dupla sobre a experiência tem lançamento marcado para março. deste ano. Uma das palestras realizadas por Thordis e Stranger, em outubro do ano passado, foi assistida por quase 3 milhões de pessoas.

Críticas

Neste mês de março, durante um evento em Londres, os dois enfrentaram críticas de manifestantes que enxergam nessas aparições um gatilho emocional para vítimas de estupro. 

Durante a apresentação,  grupos de defesa dos direitos da mulher promoveram um protesto em frente ao local do evento, gritando e exibindo faixas com dizeres como "Um estuprador está aqui, lucrando com seu crime".

A organização se defendeu afirmando que o debate era "importante demais para ser silenciado".

"O estupro é um assunto crucial e precisamos mudar um pouco a discussão em torno dele, que muito frequentemente se foca mais nas vítimas do que nos agressores", disse, em comunicado oficial, a diretora artística do Southbank Centre, local onde a palestra seria ministrada. Sobre esse ponto, Stranger declarou que recebe uma parte minoritária do dinheiro das vendas do livro, mas prometeu repassar esses valores a ONGs envolvidas com vítimas de violência sexual.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM