Jornal do Commercio
Vaticano

Papa pede perdão a Deus pelos horrores cometidos pela Igreja em Ruanda

Papa Francisco se encontrou com o presidente de Ruanda e voltou a recordar as vítimas do genocídio ocorrido em Ruanda em 1994

Publicado em 20/03/2017, às 18h43

Papa Francisco se encontrou com o presidente de Ruanda, Paul Kagame, e voltou a recordar as vítimas do genocídio ocorrido em Ruanda em 1994 / TONY GENTILE / POOL / AFP
Papa Francisco se encontrou com o presidente de Ruanda, Paul Kagame, e voltou a recordar as vítimas do genocídio ocorrido em Ruanda em 1994
TONY GENTILE / POOL / AFP
AFP

O papa Francisco implorou perdão a Deus pelos horrores cometidos pela Igreja no genocídio de Ruanda, em 1994, no encontro que manteve nesta segunda-feira no Vaticano com o presidente ruandês Paul Kagame.

"Imploro o perdão a Deus pelos pecados e faltas da Igreja e de seus membros, entre eles padres, religiosos e religiosas, que cederam ao ódio e à violência, traíram sua missão evangélica", afirmou o Papa ao referir-se ao genocídio em Ruanda que há 23 anos deixou cerca de 800.000 mortos.

O Papa, que se reuniu por 20 minutos a portas fechadas com o presidente de Ruanda, havia oferecido em 2014 o apoio da Igreja católica à reconciliação em Ruanda por ocasião dos 20 anos de genocídio.

O massacre de quase um terço da população de Ruanda, a maioria pertencente à minoria tutsi, foi realizada pela maioria hutu ante a total indiferença do resto do mundo.

Diante do presidente africano, o Papa voltou a recordar, como fez em 2014, as vítimas do genocídio.

"Manifesto a profunda dor, da Santa Sé e de toda a Igreja, pelo genocídio contra os tutsi e expresso solidariedade às vítimas e a todos que padeceram por esses trágicos eventos", afirmou o chefe da Igreja, segundo a nota divulgada pelo Vaticano.

Francisco também recordou o gesto de João Paulo II durante o Jubibeu de 2000, quando, pela primeira vez, pediu perdão pelos horrores cometidos pelos membros da Igreja nesse país africano.

A Igreja católica foi acusada em várias ocasiões de apoiar o regime extremista hutu e de ter participado nas matanças realizadas ao longo de cem dias.

Vários sacerdotes e freiras foram julgados pela sua participação no genocídio, principalmente pelo Tribunal Penal Internacional para Ruanda (TPIR).

Em 21 de novembro passado, a Igreja católica de Ruanda, em uma carta assinada pelos nove bispos do país, voltou a pediu perdão em nome de todos os católicos que participaram do genocídio. 

Com esse "humilde gesto de reconhecimento das faltas cometidas", o papa argentino deseja "contribuir com uma 'purificação da memória' e promover com esperança e confiança renovada um futuro de paz", afirma o comunicado.

- Difícil reconciliação -

O religioso mais importante da Igreja que foi julgado por genocídio foi o falecido bispo Augustin Misago, que foi absolvido e liberto da prisão em junho de 2000. 

Durante as homenagens pelo 20º aniversário da tragédia, em abril de 2014, Kagame acusou a Igreja católica de ter "participado plenamente" na difusão da ideologia colonial que gerou a divisão entre hutus e tutsis e que levou ao genocídio. 

O governo ruandês considera que o pedido de perdão local não é suficiente tendo em vista os crimes cometidos. 

A ministra das Relações Exteriores de Ruanda, Louise Mushikiwabo, que acompanhou Kagame ao Vaticano, disse à imprensa que a reunião foi realizada em "um espírito de abertura e respeito mútuo". 

Ressaltou, ainda, o papel atual da igreja ao "facilitar" os esforços para ajudar os sobreviventes e os verdugos arrependidos a viverem e trabalharem uns ao lado dos outros, disse. 

A ministra advertiu que ainda há pessoas na Igreja que protegem os autores do genocídio. 

"Hoje em dia, a negação e a trivialização do genocídio continuam florescendo em certos grupos dentro da Igreja, e vários suspeitos de genocídio foram protegidos da justiça dentro das instituições católicas", assegurou.

Cerca da metade dos ruandeses são atualmente católicos, e a outra metade recorreu às igrejas pentecostais depois do genocídio.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM