Jornal do Commercio
Síria

Foto de pai segurando filhos mortos na Síria comove web

Imagem foi registrada durante o ataque químico ocorrido na última terça e que matou 86 pessoas na Síria

Publicado em 05/04/2017, às 14h53

O jornalista Asaad Hanna, que registrou a foto, afirmou que Abdul Hamid Youssef perdeu 20 familiares durante o bombardeio, incluindo sua mulher e os dois filhos, Ahmed e Aiya / Foto: Reprodução/Asaad Hanna/Twitter
O jornalista Asaad Hanna, que registrou a foto, afirmou que Abdul Hamid Youssef perdeu 20 familiares durante o bombardeio, incluindo sua mulher e os dois filhos, Ahmed e Aiya
Foto: Reprodução/Asaad Hanna/Twitter
JC Online

Atualizada às 19h00

Uma imagem de um pai segurando com força os corpos de dois filhos mortos durante o ataque químico em Khan Sheikun, na Síria, conseguiu ilustrar um pouco do poder desastroso causado pelo ataque da última terça-feira (4). De acordo com a ONG Observatório Sírio de Direitos Humanos, 86 pessoas morreram por conta dos gases tóxicos disparados na região. Deste número, 20 dessas vítimas fatais seriam crianças, incluindo os filhos de Abdul Hamid Youssef.

 

A foto foi tirada pelo jornalista Asaad Hanna, que divulgou o momento em sua conta no Twitter. Ele contou ainda que Abdul Hamid Youssef perdeu 20 familiares durante o bombardeio, incluindo sua mulher e os dois filhos, Ahmed e Aiya. Além do ataque aéreo, correspondentes da AFP constataram que um hospital onde várias das vítimas da ação estavam internadas também foi bombardeado.

O bombardeio aéreo que disparou o gás tóxico foi condenado por diversos países, que atribuíram a responsabilidade do ataque às forças do governo de Bashar al-Assad. O ataque ocorreu no mesmo dia em que teve início uma conferência de dois dias em Bruxelas, na Bélgica, patrocinada pela União Europeia e que iria tratar sobre o futuro da Síria.

Imagens do conflito na Síria que se espalharam pelo mundo

Esta, infelizmente, não foi a primeira vez em que uma foto que registrada no contexto do conflito da Síria comove a internet. Em 2015, a imagem do menino Aylan de 3 anos, que morreu enquanto tentava fugir junto com sua família da guerra civil em seu país natal, também obteve bastante repercussão no mundo e virou um símbolo do drama sofrido pelos refugiados do conflito. A foto de Omran, de cinco anos, também foi outra que circulou pelas redes sociais por conta do estado do menino, bastante ferido e desorientado no momento em que a fotografia foi tirada.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Bruno,05/04/2017

Esta "comoção" está atrasada em 400.000 mortes da ditadura de Assad, com o mundo só assistindo. Realmente...



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM