Jornal do Commercio
Decisão

Referendo que aumenta poderes do presidente da Turquia Erdogan é aprovado

Oposição afirmou que contestará resultado em favor do presidente Erdogan

Publicado em 16/04/2017, às 21h45

"Hoje a Turquia tomou uma decisão histórica", declarou Erdogan, que pediu aos países estrangeiros para que "respeitem" o resultado
Foto: Bulent Kilic / AFP
AFP

A autoridade eleitoral turca declarou neste domingo a vitória do presidente Recep Tayyip Erdogan no referendo que reforçará seus poderes, mas a oposição denunciou fraudes e anunciou que contestará o resultado.

Durante uma coletiva de imprensa, o chefe do Alto Conselho Eleitoral (YSK), Sadi Güven, afirmou que o 'Sim' estava à frente do 'Não' por cerca de 1,25 milhão de votos, faltando apenas 600.000 votos a serem apurados.

De acordo com resultados não-oficiais divulgados pela agência de notícias pró-governo Anadolu, o 'Sim' obteve 51,3% dos votos contra 48,7% do 'Não', com 99% das urnas apuradas.

Após um dia de grande tensão, o 'Não', que começou a contagem muito atrás, conseguiu encurtar a distância para o 'Sim' ao longo da apuração, sem, contudo, ser capaz de superá-lo.

"Hoje (...) a Turquia tomou uma decisão histórica", declarou Erdogan a jornalistas em sua residência oficial em Istambul. "Com o povo, realizamos a reforma mais importante da nossa história", acrescentou o chefe de Estado, que pediu aos países estrangeiros para que "respeitem" o resultado.

Pouco depois, o presidente turco mencionou a possibilidade de organizar um novo referendo, desta vez sobre o restabelecimento da pena de morte, o que encerraria o processo de adesão da Turquia à União Europeia.



"Com esta votação, abrimos uma nova página da nossa democracia", declarou, por sua vez, o primeiro-ministro Yildirim Bilali na sede do seu partido, o AKP, em Ancara. "Este referendo não tem perdedor. O vencedor é a Turquia".

Reagindo a este resultado, a União Europeia pediu para que a Turquia busque "um consenso nacional".

Os primeiros resultados indicam o quanto o país está dividido sobre as mudanças constitucionais propostas, enquanto o 'Não' venceu nas três maiores cidades do país: Istambul, Ancara e Izmir.

"Em vista do resultado apertado do referendo e as implicação profundas das mudanças constitucionais, pedimos (...) às autoridades turcas que busquem o consenso nacional mais amplo possível", escreveram em um comunicado o presidente da Comissão europeia, Jean-Claude Juncker, a chefe da diplomacia Federica Mogherini e o responsável pela ampliação da UE, Johannes Hahn.

Protestos da oposição 

Os dois principais partidos da oposição na Turquia denunciaram "manipulações" e anunciaram sua intenção de solicitar uma recontagem dos votos. O chefe do principal partido de oposição CHP (social-democrata), Kemal Kiliçdaroglu, declarou que a mudança no último minuto das regras eleitorais colocavam em questão a legitimidade do referendo e "jogava uma sobra sobre a decisão da nação".

O partido anunciou através de um de seus líderes que questionava os votos de quase 37% das urnas. Esta proporção pode chegar a 60%, segundo afirmou Erdal Aksünger, vice-secretário-geral do CHP. "Acreditem em mim, este referendo não acabou", declarou Aksünger à CNN Turk, citado pela agência de notícias Dogan. "Foi totalmente inválido", disse ele.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM