Jornal do Commercio
Saúde

OMS comemora grandes 'avanços' na luta contra doenças negligenciadas

Para organização, luta contra 18 doenças tropicais teve 'avanços sem precedentes'

Publicado em 18/04/2017, às 23h50

Dengue está entre as 18 doenças tropicais que tiveram avanços no tratamento, segundo OMS / Foto: Arquivo/JC Imagem
Dengue está entre as 18 doenças tropicais que tiveram avanços no tratamento, segundo OMS
Foto: Arquivo/JC Imagem
AFP

A Organização Mundial da Saúde comemorou nesta quarta-feira os "avanços sem precedentes" na luta contra 18 doenças tropicais neglicenciadas, entre elas a dengue, que deixam 170.000 mortos e milhões de deficientes a cada ano. 

A agência de Saúde da ONU, companhias farmacêuticas e grupos da sociedade civil liderados pela Fundação Bill e Melinda Gates travaram uma longa batalha para erradicar essas doenças, que são muito tratáveis mas que até pouco tempo atrás não haviam recebido muita atenção. 

"É realmente a história de um maravilhoso avanço", disse Bill Gates, o bilionário fundador da Microsoft, em Genebra, com ocasião da publicação do último relatório da OMS sobre a luta contra as doenças tropicais negligenciadas.  

"Nos últimos 10 anos, milhões de pessoas saíram da invalidez e da pobreza graças a uma das colaborações globais mais efetivas na saúde pública moderna", assegurou a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, em um comunicado. 

Um total de 1,6 bilhão de pessoas sofrem com doenças negligenciadas, entre elas mais de 500 milhões de crianças, mas o número diminuiu desde 2010, quando mais de dois bilhões de indivíduos eram afetados por estas patologias, segundo a OMS. 

O esforço no combate a essas condições foi intensificado em 2012, quando os governos e a indústria farmacêutica assinaram a Declaração de Londres, na qual se comprometeram a dar recursos para ajudar a eliminar as doenças negligenciadas mais comuns. 



Desde então, as empresas doaram milhões de doses de tratamento, permitindo que um bilhão de pessoas obtenham terapias para ao menos uma doença em 2015.

Foram dados grandes passos para controlar algumas das piores doenças, incluindo a Dracunculíase, causada pelo verme da Guiné, que cresce no corpo dos que consomem água contaminada com pulgas aquáticas infectadas por este parasita. 

No ano passado foram registrados apenas 25 casos dessa doença em humanos, uma redução drástica em comparação com os 900.000 de 1989, quando a patologia era endêmica em 21 países. A erradicação está "ao alcance", apontou a OMS.

Também diminuíram muito os casos de tripanossomíase africana, mais conhecida como doença do sono, transmitida pela mosca tsé-tsé. Em 2015, foram registrados 2.804 afetados, em comparação com os 37.000 de 1999, indicou a OMS, que tem a meta de eliminar totalmente esta patologia até 2030. 

Advertência

Embora tenha havido muitos progressos contra as doenças negligencias, a OMS advertiu que os avanços podem se estagnar se problemas mais amplos relacionados com a pobreza não forem enfrentados. 

A organização estima que 2,4 bilhões de pessoas ainda carecem de instalações básicas de saneamento, como banheiros e latrinas, enquanto quase dois bilhões usam fontes de água potável contaminadas com matéria fecal.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM