Jornal do Commercio
Venezuela

Chefe da ONU pede diálogo e redução das tensões na Venezuela

O secretário-geral da ONU fez um chamado ao governo e à oposição da Venezuela depois de na véspera morrerem três pessoas durante uma jornada de protestos

Publicado em 20/04/2017, às 16h31

No total, oito pessoas morreram desde o início dos protestos em 1º de abril / Juan Barreto / AFP
No total, oito pessoas morreram desde o início dos protestos em 1º de abril
Juan Barreto / AFP
AFP

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, fez nesta quinta-feira (20) um chamado ao governo e à oposição da Venezuela a retomar o diálogo e a reduzir as tensões, depois de na véspera morrerem três pessoas durante uma jornada de protestos opositores em massa.

>>> Europa pede investigações sobre mortes na Venezuela
>>> Oposição convoca novo ato após mortes em protestos na Venezuela
>>> Conheça cinco momentos-chave na crise da Venezuela

"Pedimos gestos concretos de todas as partes para reduzir a polarização e criar as condições necessárias para abordar os desafios do país em benefício do povo venezuelano", indicou Guterres em um comunicado.

Três pessoas morreram na quarta-feira durante confrontos entre a força pública e os manifestantes, que realizaram uma mobilização em massa contra o governo de Nicolás Maduro, a quem responsabilizam pela crise econômica e social que assola o país com as maiores reservas mundiais de petróleo.



Mortes

No total, oito pessoas morreram desde o início dos protestos em 1º de abril, e que continuavam nesta quinta-feira.

>>> Morte de militar é a terceira em dia de protestos na Venezuela
>>> Maduro ativa plano militar para manter ordem interna na Venezuela

"Estamos preocupados com os recentes acontecimentos na Venezuela e urgimos que sejam realizados todos os esforços para reduzir as tensões e prevenir futuros enfrentamentos", acrescentou o chefe da ONU.

"Pedimos ao governo da Venezuela e à oposição a se comprometerem sinceramente a reativar os esforços de diálogo, especialmente nos temas críticos que já acordaram revisar na agenda, como o equilíbrio de poder entre as os braços do Estado, o calendário eleitoral, os direitos humanos, a verdade, a justiça, e a situação socioeconômica".

As eleições de governadores deveriam ter sido realizadas em 2016, mas foram suspensas e ainda não têm data. As de prefeitos estão marcadas para este ano e as presidenciais para dezembro de 2018.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM