Jornal do Commercio
Venezuela

Chefe da ONU pede diálogo e redução das tensões na Venezuela

O secretário-geral da ONU fez um chamado ao governo e à oposição da Venezuela depois de na véspera morrerem três pessoas durante uma jornada de protestos

Publicado em 20/04/2017, às 16h31

No total, oito pessoas morreram desde o início dos protestos em 1º de abril / Juan Barreto / AFP
No total, oito pessoas morreram desde o início dos protestos em 1º de abril
Juan Barreto / AFP
AFP

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, fez nesta quinta-feira (20) um chamado ao governo e à oposição da Venezuela a retomar o diálogo e a reduzir as tensões, depois de na véspera morrerem três pessoas durante uma jornada de protestos opositores em massa.

>>> Europa pede investigações sobre mortes na Venezuela
>>> Oposição convoca novo ato após mortes em protestos na Venezuela
>>> Conheça cinco momentos-chave na crise da Venezuela

"Pedimos gestos concretos de todas as partes para reduzir a polarização e criar as condições necessárias para abordar os desafios do país em benefício do povo venezuelano", indicou Guterres em um comunicado.

Três pessoas morreram na quarta-feira durante confrontos entre a força pública e os manifestantes, que realizaram uma mobilização em massa contra o governo de Nicolás Maduro, a quem responsabilizam pela crise econômica e social que assola o país com as maiores reservas mundiais de petróleo.



Mortes

No total, oito pessoas morreram desde o início dos protestos em 1º de abril, e que continuavam nesta quinta-feira.

>>> Morte de militar é a terceira em dia de protestos na Venezuela
>>> Maduro ativa plano militar para manter ordem interna na Venezuela

"Estamos preocupados com os recentes acontecimentos na Venezuela e urgimos que sejam realizados todos os esforços para reduzir as tensões e prevenir futuros enfrentamentos", acrescentou o chefe da ONU.

"Pedimos ao governo da Venezuela e à oposição a se comprometerem sinceramente a reativar os esforços de diálogo, especialmente nos temas críticos que já acordaram revisar na agenda, como o equilíbrio de poder entre as os braços do Estado, o calendário eleitoral, os direitos humanos, a verdade, a justiça, e a situação socioeconômica".

As eleições de governadores deveriam ter sido realizadas em 2016, mas foram suspensas e ainda não têm data. As de prefeitos estão marcadas para este ano e as presidenciais para dezembro de 2018.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM