Jornal do Commercio
Bruxelas

Europa pede investigações sobre mortes na Venezuela

A UE insiste que os responsáveis pela violência precisam responder pelos incidentes e pede que o diálogo volte a ser estabelecido

Publicado em 20/04/2017, às 11h09

Três pessoas morreram nos protestos dessa quarta (19) / Foto: JUAN BARRETO / AFP
Três pessoas morreram nos protestos dessa quarta (19)
Foto: JUAN BARRETO / AFP
Estadão Conteúdo

A União Europeia (UE) pediu investigações em relação às mortes ocorridas durante os protestos na Venezuela, na noite dessa quarta-feira (19). Bruxelas insiste que os responsáveis pela violência precisam responder pelos incidentes e pede que o diálogo volte a ser estabelecido.

"Pedimos a todos os venezuelanos que se unam para reduzir a tensão e encontrar soluções democráticas dentro do marco da constituição", indicou a porta-voz de política externa da Comissão Europeia. "Apenas um engajamento pacífico e construtivo pode parar a deterioração da situação na Venezuela e construir uma perspectiva melhor para seu povo", insistiu.

Protesto levou milhares de pessoas às ruas

Na quarta-feira, dezenas de milhares de pessoas foram às ruas de Caracas e outras cidades da Venezuela para protestar contra o governo do presidente Nicolás Maduro. Em resposta, o chavismo organizou um ato em Caracas de apoio a Maduro.

O líder chavista Diosdado Cabello informou que um membro da Guarda Nacional Bolivariana tinha sido morto em San Antonio de los Altos, periferia de Caracas, e atribuiu a culpa à oposição. Na capital, um jovem de 17 anos identificado como Carlos José Moreno levou um tiro e morreu. Em Táchira, perto da fronteira com a Colômbia, uma mulher de 24 anos morreu após ser baleada.



"Pedimos uma investigação sobre essas mortes e atos de violência que ocorreram durante os protestos, e para que aqueles responsáveis sejam condenados", insistiu Bruxelas.

"Os atos de violência durante os protestos são altamente lamentáveis", disse a UE. "Estamos entristecidos pelas mortes de um homem e de uma mulher, e preocupados com os relatos de muitos feridos", apontou. Os europeus, em seu comunicado, não fizeram referências ao soldado morto.

"Todas as pessoas envolvidas, inclusive membros das Forças de Seguranças, tem a responsabilidade de agir em total cumprimento do estado de direito e direitos humanos", insistiu Bruxelas.

 


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM