Jornal do Commercio
França

Remédio pode ter provocado até 4 mil casos de malformação na França

Antiepilético teria causado malformações congênitas graves desde o início de sua comercialização em 1967

Publicado em 20/04/2017, às 11h09

Desde 2015, medicamento só pode ser prescrito depois do fracasso de outros tratamento / Foto: AFP
Desde 2015, medicamento só pode ser prescrito depois do fracasso de outros tratamento
Foto: AFP
AFP

O antiepilético Dépakine e seu derivados causaram entre 2.150 e 4.100 casos de malformações congênitas graves desde o início de sua comercialização, em 1967 na França, segundo um estudo da Agência francesa de medicamentos publicado nesta quinta-feira.

As mães dos recém-nascidos afetados receberam o remédio - cujo princípio ativo é o ácido valproico - para tratar crises de epilepsia ou transtornos bipolares durante a gravidez.

"O estudo confirma o caráter teratogênico (causador de malformações) muito importante do ácido valproico. Cerca de 3.000 malformações graves, é muito alto", declarou à AFP o doutor Mahmud Zureik, diretor científico da Agência francesa de medicamentos e coautor do estudo.

Desde 2015, o ácido valproico só pode ser prescrito às mulheres grávidas ou em idade de procriar em caso de fracasso dos demais tratamentos disponíveis, cujo risco é muito menor.



O risco de malformações congênitas graves é quatro vezes mais alto nas crianças nascidas de uma mãe tratada com Dépakine ou seus derivados por epilepsia em relação às crianças que não estiveram expostas ao ácido valproico no útero, e duas vezes mais alto quando esta molécula foi usada para resolver transtornos bipolares, segundo o estudo.

"Para os transtornos bipolares, é frequente a interrupção do tratamento no início da gravidez (...)" e os pacientes não tomam seus medicamentos com a mesma assiduidade, explica Zureik. Um fato importante, levando-se em conta que "o risco de malformações graves se limita aos dois primeiros meses de gravidez", afirma o doutor Alain Weil, coautor do estudo.

Os pesquisadores estudaram 226 malformações congênitas, entre elas anomalias do sistema nervoso como a espinha bífida (ausência de fechamento da coluna vertebral) que causa falecimentos e paralisias, e transtornos cardiovasculares ou dos órgãos genitais.

O estudo que permitiu calcular o número de crianças afetadas pelo antiepilético foi realizado sobre quase dois milhões de mulheres que deram à luz entre 1º de janeiro de 2011 e 31 de março de 2015.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM