Jornal do Commercio
EUA

Arkansas executa o primeiro de vários condenados à pena morte

A execução aconteceu mesmo depois das críticas ao estado pelo plano de aplicar várias penas até o fim do mês

Publicado em 21/04/2017, às 08h57

Em meio à batalha legal dos advogados por cada condenado, também existe uma polêmica sobre os medicamentos utilizados na injeção letal / Foto: Yasser Al-Zayyat/AFP
Em meio à batalha legal dos advogados por cada condenado, também existe uma polêmica sobre os medicamentos utilizados na injeção letal
Foto: Yasser Al-Zayyat/AFP
AFP

O estado americano do Arkansas executou nessa quinta-feira (20) o primeiro condenado à morte em uma década, apesar das críticas por seu polêmico plano de aplicar a pena capital de maneira apressada contra vários réus até o fim do mês.

Ledell Lee foi executado na quinta à noite, depois que a Suprema Corte dos Estados Unidos rejeitou um recurso de última hora para suspender a medida, informou a procuradora-geral do Arkansas, Leslie Rutledge.

O preso recebeu uma injeção leta com três substâncias, incluindo uma que provocou um intenso debate legal.

Originalmente o governador republicano Asa Hutchinson havia planejado a execução de oito condenados em um período de 11 dias até o final de abril, quando expira a validade de um dos medicamentos - o midazolam - utilizados na injeção letal.

Mas em meio à oposição pública à pena de morte - incluindo protestos na capital estadual Little Rock, com a presença do ator Johnny Depp e de um juiz vinculado a um dos casos -, os advogados conseguiram suspender quatro execuções.

Jason McGegee, que tinha a morte programada para o dia 27, conseguiu em 6 de abril um adiamento de um mês após um recurso de clemência. Na sexta-feira passada (14), a Suprema Corte do Arkansas adiou - sem revelar os motivos - a execução de Bruce Ward, prevista para o dia 17.



Execuções adiadas

Na segunda-feira (17) à noite, depois que Don Davis teve direito a sua "última refeição" e a poucos minutos de sua execução, uma decisão de última hora da Suprema Corte dos Estados Unidos salvou sua vida.

Stacey Johnson foi o quarto condenado que conseguiu, na quarta-feira, um adiamento da execução.

Mas a Procuradoria do Arkansas promete lutar para aplicar a pena de morte aos demais condenados.

Em meio à batalha legal dos advogados por cada condenado, também existe uma polêmica sobre os medicamentos utilizados na injeção letal.

A Mckesson-Medical-Surgical Inc., distribuidora da Pfizer, havia solicitado à justiça a proibição do uso de seu brometo de pancurônio para executar presos. Na sexta-feira passada, um juiz decidiu a favor da empresa, o que suspendeu temporariamente todas as execuções.

Mas um tribunal de apelações suspendeu o bloqueio e autorizou o estado a executar os condenados com as drogas previstas, o que determinou o destino de Ledell Lee, o primeiro da lista a ser executado.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM