Jornal do Commercio
Venezuela

Morre homem baleado em protesto na Venezuela

Autoridades confirmam morte de Melvin Guaitan, atingido por tiros nessa quinta-feira em Caracas

Publicado em 21/04/2017, às 10h54

O uso de gás lacrimogêneo, incêndio de barricadas, explosões, ataques contra lojas e bloqueios de avenidas afetaram as zonas oeste e sul da capital / Foto: PARRA/AFP
O uso de gás lacrimogêneo, incêndio de barricadas, explosões, ataques contra lojas e bloqueios de avenidas afetaram as zonas oeste e sul da capital
Foto: PARRA/AFP
AFP

Um homem morreu ao ser atingido por tiros na quinta-feira (20) à noite durante um protesto na área de Petare em Caracas, informou nesta sexta-feira (21) um dos prefeitos da capital da Venezuela.

"Com muita dor informo a morte por impacto de bala de Melvin Guaitan, humilde trabalhador, morador de Sucre #Petare", escreveu no Twitter Carlos Ocariz, prefeito do município de Sucre, onde fica Petare.

"Melvin foi assassinado na entrada do Bairro 5 de Julho durante o protesto esta noite (quinta). Exigimos que se investigue e castigue os culpados!", completou o prefeito, que faz oposição ao governo do presidente Nicolás Maduro.

Ocariz não revelou detalhes sobre as circunstâncias do incidente: se a manifestação era organizada pela oposição, se Guaitan participava na mesma ou se apenas passava pelo local, se o tiro partiu de um civil ou de um agente das forças de segurança.



O governo da cidade e a Procuradoria não responderam as ligações da AFP.

Número de vítimas

Guaitan é a nona pessoa morta nas últimas três semanas em um momento de grandes protestos contra Maduro, que quase sempre terminam em confrontos entre manifestantes e as autoridades.

O uso de gás lacrimogêneo, incêndio de barricadas, explosões, ataques contra lojas e bloqueios de avenidas afetaram as zonas oeste e sul da capital, com maior gravidade em El Valle, outro bairro carente de Caracas.

Cinquenta e quatro crianças foram retiradas do hospital infantil de El Valle, no outro extremo de Petare, em um incidente confuso.

As manifestações, iniciadas em 1 de abril para exigir o respeito às prerrogativas do Parlamento - que tem maioria opositora - e a convocação de eleições antecipadas.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM