Jornal do Commercio
PREVISÃO

Stephen Hawking dá prazo de cem anos para fim da civilização humana na terra

Um dos cientistas, cosmólogos e físicos mais consagrados da atualidade, Hawking voltou a estipular prazos para a vida nesse planeta

Publicado em 08/05/2017, às 17h00

A previsão catastrófica de Stephen Hawking é por conta das mudanças climáticas, epidemias, superpopulação e até possíveis colisões com asteroides / Foto: JUSTIN TALLIS / AFP
A previsão catastrófica de Stephen Hawking é por conta das mudanças climáticas, epidemias, superpopulação e até possíveis colisões com asteroides
Foto: JUSTIN TALLIS / AFP
JC Online

O fim parece estar mais próximo. Pelo menos, segundo a previsão do físico Stephen Hawking, que também é cosmólogo e um dos mais consagrados cientistas da atualidade. Em novembro do ano passado, segundo Stephen, a civilização teria pelo menos mais mil anos de existência. Só que agora, a nova previsão do físico aponta que se os seres humanos não saírem da terra em pelo menos 100 anos chegará ao fim.

O físico não é o único que pensa assim. Segundo o Olhar Digital, Elon Musk, CEO e fundador da Tesla e da SpaceX também acredita que os humanos não vão sobreviver a menos que se mudem. Ele aponta Marte como a solução e já trabalha para criar maneiras para criar uma colônia marciana até 2033.



A previsão catastrófica é por conta das mudanças climáticas, epidemias, superpopulação e até possíveis colisões com asteroides. Conforme Hawking, é preciso mudar de planeta rapidamente.

Documentário sobre a possível extinção

Num novo documentário, intitulado como Stephen Hawking: expedição à nova terra, que será exibido pela BBC, o físico de 75 anos tenta provar que sua teoria está certa e aponta caminhos para a civilização humana encontrar saídas fora do planeta terra.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM