Jornal do Commercio
Polêmica

UE multa Facebook por informação incorreta na compra do WhatsApp

Na época da compra, Facebook afirmou que não poderia relacionar as duas contas, mas foi comprado que havia sim possibilidade dessa junção. O valor da multa foi de 110 milhões de euros

Publicado em 18/05/2017, às 08h32

A decisão não muda a autorização da compra / Foto: Reprodução/Google Images
A decisão não muda a autorização da compra
Foto: Reprodução/Google Images
AFP

A Comissão Europeia anunciou nesta quinta-feira (18) uma multa de 110 milhões de euros (120 milhões de dólares) ao Facebook por apresentar informação "incorreta ou enganosa" à União Europeia (UE) sobre a compra do Whatsapp. "A decisão de hoje envia um sinal claro às empresas de que devem cumprir com todos os aspectos da regulamentação da União Europeia sobre fusões, incluindo a obrigação de apresentar informação correta", afirmou a comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager, em um comunicado.

"A Comissão deve poder tomar decisões sobre os efeitos das fusões na concorrência com pleno conhecimento dos fatos exatos", completou. Os reguladores da UE aprovaram em outubro de 2014 a aquisição do Whatsapp pelo Facebook com um preço final de 22 bilhões de dólares, considerando que não havia razão para acreditar que teria um impacto sobre a concorrência no crescente setor das redes sociais. A decisão desta quinta-feira não muda nada na autorização de compra, segundo o Executivo europeu. 

O Facebook reagiu de modo imediato: "Atuamos de boa fé desde nossas primeiras reuniões com a Comissão Europeia e tratamos de apresentar informação exata a cada vez". "O erro que cometemos nos documentos proporcionados em 2014 não era intencional e a Comissão confirmou que não teve impacto no resultado da análise da fusão", afirmou o porta-voz do Facebook, Aled Williams, à AFP. "O anúncio de hoje encerra o caso", completou.



Em seu comunicado, a Comissão recorda que a regulamentação sobre fusões exige que as empresas apresentem informação essencial exata para possibilitar sua análise. O texto destaca que quando o Facebook notificou a Comissão sobre a compra, em 2014, a empresa informou que "não poderia estabelecer um vínculo automático confiável entre as contas dos usuários do Facebook e as contas dos usuários do Whatsapp".

"No entanto, em agosto de 2016, o WhatsApp anunciou uma atualização das condições de sua política de serviço e de privacidade, incluindo a possibilidade de vincular os números de telefone dos usuários do WhatsApp com as 'identidades' dos usuários do Facebook", recorda. A Comissão descobriu que, ao contrário das declarações do Facebook em 2014, a empresa tinha sim, então, a capacidade técnica para vincular os dados dos usuários das duas redes sociais, indica o comunicado.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM