Jornal do Commercio
Irã

Iranianos comparecem às urnas para escolher seu presidente

Para a eleição presidencial, disputam os votos dos iranianos o atual mandatário, o moderado Hassan Rohani, e o religioso conservador Ebrahim Raissi

Publicado em 19/05/2017, às 16h49

O atual presidente do Irã, Hassan Rohani, que aspira o segundo mandato, deposita seu voto / Foto: MAJID AZAD / AFP
O atual presidente do Irã, Hassan Rohani, que aspira o segundo mandato, deposita seu voto
Foto: MAJID AZAD / AFP
AFP

Os iranianos votavam nesta sexta-feira (19) para a eleição presidencial, uma disputa entre o atual mandatário, o moderado Hassan Rohani, que aspira o segundo mandato, e o religioso conservador Ebrahim Raissi.

As seções eleitorais abriram às 3h30 GMT (0h30 Brasília) para 56,4 milhões de eleitores habilitados, que se pronunciarão entre a manutenção da política de abertura promovida por Rohani e o nacionalismo defendido por Raissi.

A votação será estendida até tarde para que todos os eleitores possam depositar sua cédula.

Tanto na capital Teerã como nas províncias, o fluxo de eleitores era grande desde o início da votação, com longas filas em alguns locais.

Após 12 horas de votação, às 20h00 (12h30 de Brasília), 30 milhões de eleitores já haviam votado, segundo a imprensa local.

A taxa de participação, que é a grande incógnita da eleição, deve superar 72%, de acordo com o ministério do Interior.

"A participação entusiasmada dos iranianos na eleição reforça o poder e a segurança nacional", declarou o presidente Rohani depois de votar em Teerã.

Seu rival, Ebrahim Raisi, que votou em uma mesquita em um bairro operário da zona sul da capital, destacou a previsão de uma "grande participação".

Mas antes do fim do dia eleitoral, o campo de Raisi denunciou "infrações" e exigiu uma intervenção imediata contra "ações de propaganda de algumas autoridades e simpatizantes do governo" a favor do atual presidente.

Além disso, denunciou que o nome de Ebrahim Raisi estava mal apresentado nas listas dos colégios eleitorais e que não havia cédulas suficientes nas "zonas desfavorecidas", mais favoráveis ao candidato conservador.

Votar 'em massa' 

O balanço do governo de Rohani, 68 anos, é questionado por Raissi, 56 anos, ligado ao guia supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei.

Um dos primeiros a votar na urna instalada em sua residência de Teerã foi Khamenei, que pediu aos compatriotas que compareçam às urnas "em massa, o mais cedo possível".



O célebre diretor iraniano Asghar Farhadi votou em Cannes (sul da França), onde participa no festival de cinema, em uma das urnas que a embaixada do Irã instalou na França, informou a agência de notícias Isna.

As eleições ocorrem dois dias depois da decisão dos Estados Unidos de renovar a suspensão das sanções contra o Irã, seguindo o acordo nuclear assinado em 2015 entre Teerã e as grandes potências.

Eleito em 2013 com 50,7% dos votos, Hassan Rohani dedicou a maior parte de seu primeiro mandato de quatro anos à negociação do acordo que permitiu iniciar abertura econômica e política de seu país.

Mas a desconfiança entre Teerã e Washington persiste. A manutenção do acordo nuclear foi acompanhada por novas sanções americanas sobre o programa balístico do Irã.

A desconfiança aumentou após a chegada ao poder do presidente americano Donald Trump, que adicionou sanções não relacionadas com a questão nuclear desde janeiro.

No fim de semana, Trump comparecerá a uma reunião de cúpula com autoridades muçulmanas de todo o mundo na Arábia Saudita, grande rival do Irã na região.

A intenção de Rohani, apesar da hostilidade de Trump, é prosseguir com a abertura internacional para atrair mais investimentos, enquanto Raisi tem um discurso ode de defesa das classes mais desfavorecidas.

Além do acordo nuclear, o presidente pode afirmar que conseguiu uma impressionante queda da inflação, que passou de quase 40% em 2013 para 9,5% atualmente.

Sem questionar o acordo nuclear, desejado pelo guia supremo Ali Khamenei, Ebrahim Raisi criticou a falta de resultados do compromisso, que segundo ele não favoreceu os mais necessitados.

Raisi critica os números do desemprego, que afeta 12,25% da população e 27% dos jovens, e acusa o governo de Rohani de trabalhar apenas para os "4% mais ricos" do país.

Além da votação presidencial, os 56,4 milhões de eleitores participam nas eleições municipais. O desafio das grandes cidades de Teerã, Machhad (noreste) e Isfahan (centro) é conseguir alterar a maioria conservadora que as governa.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM