Jornal do Commercio
Afeganistão

Manifestação contra o governo em Cabul deixa mortos

Ao menos quatro pessoas morreram nesta sexta-feira (2) quando a polícia afegã abriu fogo para dispersar centenas de manifestantes

Publicado em 02/06/2017, às 09h57

Manifestantes feridos, alguns em estado grave, foram levados para um hospital / Foto: WAKIL KOHSAR / AFP
Manifestantes feridos, alguns em estado grave, foram levados para um hospital
Foto: WAKIL KOHSAR / AFP
AFP

Quatro pessoas morreram nesta sexta-feira (2) quando a polícia afegã abriu fogo para dispersar centenas de manifestantes que tentavam se aproximar do palácio presidencial de Cabul para exigir a renúncia do governo após o atentado de quarta-feira que deixou 90 mortos.

"Nas manifestações de hoje, quatro pessoas morreram e oito ficaram feridas", afirmou à AFP o porta-voz do ministério da Saúde, Waheed Majrooh.

Descontentamento aumenta no Afeganistão

O descontentamento aumenta no Afeganistão desde o ataque com caminhão-bomba que também deixou centenas de feridos no bairro diplomático ultraprotegido da capital afegã. Este foi o atentado mais violento em Cabul desde 2001.

Manifestantes feridos, alguns em estado grave, foram levados para um hospital.

Os manifestantes, alguns com pedras nas mãos, se reuniram no local da explosão de quarta-feira, gritaram frases contra o governo, além de "morte aos talibãs".

A polícia respondeu com tiros e gás lacrimogêneo, além de jatos de água, quando os manifestantes tentaram superar o cordão de isolamento.



"Nossos irmãos e irmãs morreram no ataque sangrento de quarta-feira e nossos dirigentes não fazem nada para acabar com a carnificina", acusou a ativista Rahila Jafari.

"Queremos justiça, queremos que os autores do ataque sejam enforcados", completou.

Alguns manifestantes, furiosos, afirmaram que os protestos devem prosseguir até a renúncia do presidente Ashraf Ghani e do primeiro-ministro Abdullah Abdullah.

O serviço de inteligência afegão acusou a rede Haqqani, um grupo armado vinculado aos talibãs e responsável por muitos ataques contra as forças estrangeiras e locais no Afeganistão, de executar o atentado. Os talibãs negaram qualquer envolvimento com o ataque.

O presidente Ghani pode ordenar em breve a execução de 11 prisioneiros talibãs que pertencem à rede Haqqani.

Várias pessoas continuam desaparecidas após o ataque de quarta-feira. As autoridades afirmaram que alguns corpos talvez nunca sejam identificados.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM