Jornal do Commercio
Brexit

Eleições no Reino Unido gera mais incertezas no processo do Brexit

Eleições retiraram 13 cadeiras do Partido Conservador, que perdeu a amioria absoluta na Câmara dos Comuns

Publicado em 09/06/2017, às 21h32

Resultado das eleições coloca mais dúvidas sobre saída da Grã-Bretanha da União Europeia  / Foto: AFP
Resultado das eleições coloca mais dúvidas sobre saída da Grã-Bretanha da União Europeia
Foto: AFP
Estadão Conteúdo

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, decidiu antecipar as eleições gerais no país, a fim de fortalecer sua posição. A disputa nas urnas de ontem, porém, teve resultado amargo para ela, que viu seu Partido Conservador perder a maioria absoluta que tinha na Câmara dos Comuns, vendo-se obrigada a buscar uma coalizão para seguir no posto. Embora ainda existam muitas dúvidas sobre o cenário futuro, analistas apontam que já está claro que aumentaram as incertezas para o processo de negociação do país de sua saída da União Europeia, o chamado Brexit.

A Eurasia diz que o quadro mais provável, com 75% de chance, é que o Partido Conservador governe em uma coalizão com o Partido Unionista Democrático. Para a consultoria, porém, o governo da premiê pode não durar muito, após a abordagem dela para a negociação com a UE ser rejeitada pelos eleitores. Além disso, a Eurasia acredita que a perspectiva para o Brexit agora é "muito incerta", mas com probabilidade de uma ruptura mais branda com o bloco, seja com um governo conservador ou uma aliança progressista comandada pelo Partido Trabalhista, que ficou em segundo lugar na disputa eleitoral.

A IHS Markit acredita que o poder limitado do governo conservador no Parlamento deve retardar as negociações do Brexit "A premiê May pode ser forçada a uma estratégia de negociação mais volátil e imprevisível, devido a dificuldades de ganhar o apoio parlamentar doméstico em temas contenciosos, como as contribuições finais do Reino Unido para o orçamento da UE", diz a consultoria.

O Barclays sustenta que o resultado enfraquece a posição do governo atual para negociar com a UE. O banco acredita que pode haver uma mudança de governo, no verão local, o que atrasaria o processo de negociações. O Barclays diz ainda que é cedo para dizer se o processo de saída do Reino Unido pode ser mais contencioso ou não: por um lado, governos mais fracos não têm em geral a capacidade de adotar posições fortes, mas por outro os deputados podem continuar a apoiar a plataforma estabelecida pelo governo de May, como o maior controle da imigração e o não reconhecimento da jurisdição da Corte Europeia de Justiça, "que na essência permanecem incompatíveis com o acesso ao mercado comum".



O Barclays afirma que, com o resultado eleitoral, diminuiu a chance de um fim antecipado e com ruptura para as negociações do Brexit. Porém um Parlamento sem maioria absoluta dá espaço para um pequeno grupo de conservadores bloquear a ratificação de um acordo final mais adiante, alerta o banco. "O risco de um cenário do pior tipo iria então pesar sobre o sentimento e o desempenho econômico durante as negociações", diz o banco britânico.

O banco alemão Commerzbank, por sua vez, diz que mais atrasos nas negociações com a UE seriam o "pior cenário", por aumentarem as incertezas. O Commerzbank prevê que, quanto antes fique claro que a formação do governo não demorará muito, mais rápido a libra pode ser recuperar. Além disso, se o novo governo sinalizar que adotará um rumo diferente em relação ao Brexit, a recuperação será mais forte, segundo a instituição.

Escócia

Outra consultoria que divulgou nota com análise do resultado foi a Stifel. Segundo ela, com o resultado a chance de um plebiscito sobre a independência da Escócia diminuiu, já que o Partido Nacional Escocês perdeu 21 de suas 56 cadeiras no Parlamento para outras siglas, que desejam permanecer no Reino Unido.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM