Jornal do Commercio
argentina

Governo argentino exige detalhes sobre propinas pagas pela Odebrecht

Propinas de US$ 35 milhões teriam sido pagas pela Odebrecht na Argentina para obter concessões de obras públicas, durante mandado de Cristina Kirchner

Publicado em 17/06/2017, às 17h54

Para o ministro da Justiça, Germán Garavano, a Justiça argentina avançou muito pouco nas investigações sobre a Odebrecht / Agência Brasil
Para o ministro da Justiça, Germán Garavano, a Justiça argentina avançou muito pouco nas investigações sobre a Odebrecht
Agência Brasil
Abr

O ministro da Justiça da Argentina, Germán Garavano, exigiu neste sábado (17) que a construtora Odebrecht dê todos os detalhes sobre as propinas de US$ 35 milhões pagas no país para obter concessões de obras públicas. A informação é da Agência EFE.

"O governo exige que a empresa dê os nomes e conte o que ocorreu. Se há alguém que pagou propinas na Argentina, a empresa sabe perfeitamente quem foi, a quem (pagou) e o motivo", disse o ministro em entrevista à Rádio Mitre.

A Justiça da Argentina investiga o pagamento de propinas pela construtora para obter contratos de obras públicas durante o mandato da ex-presidente Cristina Kirchner (2007-2015). Em dezembro, a Odebrecht admitiu ter pagado US$ 35 milhões em subornos no país, dinheiro que foi entregue tanto a funcionários do governo anterior quanto do atual.



Investigações

Para Garavano, a Justiça argentina avançou muito pouco nas investigações sobre a Odebrecht. "É vergonhoso, somos o único país que não avançou nesse assunto", afirmou. O ministro criticou a falta de ação da procuradora-geral do país, Alejandra Gils Carbó, e destacou a decisão de sua pasta, de firmar um convênio de colaboração com os Estados Unidos para trocar informações sobre as operações da construtora brasileira. Segundo Garavano, está marcado para a primeira quinzena de julho um encontro entre promotores de ambos os países para avançar nas investigações sobre a Odebrecht.

O ministro ressaltou a importância de um projeto de lei para que as pessoas jurídicas do país tenham responsabilidade penal. A matéria já foi aprovada em uma comissão do Congresso e espera ser votada no plenário da Câmara. Além disso, Alejandra Carbó acertou com a Procuradoria-Geral da República no Brasil a criação de uma equipe conjunta de investigação, formada por promotores dos dois países, com o objetivo de avançar na apuração do caso.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM