Jornal do Commercio
Tragédia

Polícia declara mortos os 58 desaparecidos no incêndio de Londres

Um dos chefes da polícia de Londres afirmou que o número de mortos ainda pode aumentar.

Publicado em 17/06/2017, às 12h45

O incêndio do conjunto habitacional Torre Grenfell oficialmente causou 30 mortos. / Foto: Tolga Akmen / AFP
O incêndio do conjunto habitacional Torre Grenfell oficialmente causou 30 mortos.
Foto: Tolga Akmen / AFP
AFP
Atualizada às 15h44

A polícia de Londres anunciou neste sábado que o número de mortos no incêndio na Grenfell Tower subiu para 58, após assumir como vítimas fatais os desaparecidos na tragédia.

"Cinquenta e oito pessoas, segundo nossas informações, encontravam-se na torre naquela noite e não sobreviveram", declarou o representante da polícia de Londres Stuart Cundy. Os 30 mortos confirmados fazem parte do novo saldo, aos quais se devem acrescentar 28 que não foram encontrados.

"Este número poderá mudar. Espero que não, mas poderá aumentar", indicou.

Dezesseis corpos encontrados no prédio foram transferidos para o necrotério.

A imprensa britânica fala em até 70 desaparecidos. O governo do Marrocos informou que sete cidadãos de seu país foram identificados entre as vítimas.

Cerca de 600 pessoas viviam no prédio, de 120 apartamentos, devastado por um incêndio na madrugada da última quarta-feira.

'Encontro com Theresa May' 

A premier Theresa May recebeu críticas por ter evitado os moradores quando visitou o local do incêndio, quinta-feira, e ouviu gritos de protesto quando retornou, no dia seguinte.

Ela se reuniu hoje por duas horas e meia com um grupo de 15 vítimas, moradores, voluntários e representantes da comunidade local em seu gabinete, em Downing Street.

O encontro aconteceu enquanto, do lado de fora, era realizada uma grande manifestação por diferentes motivos, entre eles o incêndio na Grenfell Tower.

Depois da reunião, a premier divulgou um comunicado em que assegura ter entendido as preocupações, e no qual confirma o desbloqueio com urgência de 6,4 milhões de dólares para abastecimentos emergenciais, alimentos e roupas.

Theresa May também reconheceu que o apoio inicial oferecido às famílias "foi insuficiente", e anunciou o envio de mais funcionários ao local dos fatos.

Após classificar o incêndio de "tragédia inimaginável, a premier prometeu que seu governo "fará todo o possível" para ajudar as vítimas.

'Vergonha'

Segundo o serviço de saúde pública NHS, 19 vítimas permaneciam internadas, 10 delas em estado crítico.

Autoridades temem que algumas vítimas não possam ser identificadas, devido às altas temperaturas alcançadas no incêndio.



Ontem, sobreviventes da tragédia, amigos de vítimas e membros da comunidade local invadiram a sede administrativa do bairro de Kensington e Chelsea, onde fica a torre.

"Exigimos justiça!", "Vergonha!", "Assassinos!", gritavam os manifestantes, somando palavras de ordem contra a premier: "Theresa May, é hora de você ir!"

Os manifestantes criticam autoridades locais por não terem dado ouvido a seus alertas sobre a segurança do prédio, de 24 andares, porque vinham de uma população majoritariamente de baixa renda.

Muitos denunciaram que não havia saídas de emergência, extintores ou alarmes de incêndio. Além disso, o revestimento instalado na fachada no ano passado teria facilitado a propagação do fogo, segundo eles.

O incêndio, cuja causa é desconhecida, gerou um forte movimento de solidariedade, em que foram arrecadadas mais de 3 milhões de libras para as vítimas, bem como roupas e alimentos.

'Humor nacional sombrio' 

Após os distúrbios no bairro onde ocorreu o incêndio, e críticas à reação do governo conservador, a rainha Elizabeth II pediu união nacional.

"Este é, tradicionalmente, um dia de festa", disse a monarca numa mensagem em que usou um tom pouco habitual, coincidindo com a comemoração de seu 91º aniversário.

"Mas este ano é difícil não sentir o sombrio humor nacional", acrescentou, pedindo que os britânicos não desmoronem ante "a sucessão de desgraças terríveis dos últimos meses", referindo-se a três atentados e ao incêndio ocorridos em Londres.

"Quando é posto à prova, o Reino Unido se mostra determinado frente à adversidade", publicou a rainha, que observou um minuto de silêncio em homenagem às vítimas.

"Unidos em nossa dor, também estamos, sem medo nem preferência, no apoio que damos a todos que reconstroem suas vidas", acrescentou.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM