Jornal do Commercio
Tragédia

Incêndio florestal deixa vários mortos em Portugal

Incêndio começou na tarde do sábado (17). Governo de Portugal afirma que números de mortos ainda pode subir

Publicado em 18/06/2017, às 08h15

Mais de 500 bombeiros foram mobilizados para tentar controlar chamas / AFP
Mais de 500 bombeiros foram mobilizados para tentar controlar chamas
AFP
AFP

Um incêndio florestal matou nesse sábado (17) cerca de 57 pessoas e deixou 20 feridos na região de Leiria, no centro de Portugal, anunciou o governo em Lisboa. "Enfrentamos uma terrível tragédia. Até o momento, há 57 mortes confirmadas e o número de óbitos ainda pode aumentar", informou o primeiro-ministro português, Antônio Costa, na sede da Defesa Civil em Lisboa.

"Lamentavelmente, é sem dúvida a maior tragédia dos últimos anos em relação a incêndios florestais", declarou o primeiro-ministro. "O número total de vítimas ainda não foi determinado. A prioridade é combater o incêndio que permanece e entender o que ocorreu", declarou Antônio Costa.

Segundo o secretário do Interior, Jorge Gomes, três pessoas faleceram por inalação de fumaça e 16 calcinadas em seus carros quando foram cercadas pelas chamas na estrada entre Figueiro dos Vinhos e Castanheira de Pêra. O secretário revelou que entre os civis feridos há dez em estado grave. Disse ainda que seis bombeiros também se feriram e há dois desaparecidos.



O presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, viajou à zona atingida para prestar suas condolências às famílias das vítimas, e "compartilha sua dor, em nome de todos os portugueses". Marcelo Rebelo de Sousa destacou o trabalho dos bombeiros, "que fazem o máximo possível" diante das difíceis condições.

O incêndio começou por volta das 15H00 local (11H00 Brasília), na localidade de Pedrogão Grande, também no distrito de Leiria. Ao menos 500 bombeiros e 160 veículos foram mobilizados para apagar as chamas, que segundo o secretário do Interior se propagaram "com muita violência" e "de maneira inexplicável", avançando em quatro frentes.

O incêndio atingiu vários povoados, o que dificulta no momento uma avaliação sobre o total dos danos. Este sábado, um forte calor atingiu Portugal, com temperaturas que superaram os 40 graus em várias regiões. Relativamente poupado nos anos de 2014 e 2015, Portugal foi duramente atingido no ano passado pelos incêndios florestais, que devastaram mais de 100 mil hectares em seu território continental.

 

Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM