Jornal do Commercio
Acidente

Marinheiros são encontrados mortos em navio acidentado no Japão

Marinheiros dos EUA desapareceram depois que embarcação onde estavam colidiu com um cargueiro de bandeira filipina

Publicado em 18/06/2017, às 13h47

Acidente ocorreu no mar do Japão / Foto: KAZUHIRO NOGI / AFP
Acidente ocorreu no mar do Japão
Foto: KAZUHIRO NOGI / AFP
AFP

Marinheiros desaparecidos na colisão entre o destróier USS Fitzgerald e um cargueiro filipino no Japão foram encontrados mortos no interior do navio americano, anunciou neste domingo a Marinha dos Estados Unidos, sem informar o número.

Sete membros da tripulação do USS Fitzgerald permaneciam desaparecidos mais de 24 horas depois do choque, ocorrido na madrugada deste sábado, no litoral sul do Japão, com um navio de carga filipino, que não sofreu danos ou registrou vítimas.

O choque causou danos ao navio americano e provocou entrada de água em seu interior.

"Um determinado número de marinheiros desaparecidos na colisão entre o USS Fitzgerald e um navio mercante foram encontrados", declarou o serviço de relações públicas da Sétima Frota dos Estados Unidos em um breve comunicado.

"À medida que as equipes de emergência foram tendo acesso aos espaços danificados na colisão, foram detectados os marinheiros desaparecidos nos compartimentos de beliche inundados", explica o texto.

"Estão sendo levados para o hospital naval de Yokosuka, onde serão identificados", asinala.

"Os marinheiros foram encontrados mortos pelos mergulhadores", declarou o comando das forças navais no Twitter.

A Marinha americana não informou se todos os sete marinheiros desaparecidos foram encontrados.

A rede de TV pública japonesa NHK afirmou que vários militares haviam sido encontrados, retificando uma informação anterior, que dava conta de que os sete desaparecidos haviam sido encontrados mortos.

O choque entre o USS Fitzgerald e o mercante ACX Crystal ocorreu às 02H30 locais, quando o destróier navegava 56 milhas náuticas a sudoeste da cidade japonesa de Yokosuka, informou a Frota do Pacífico americana.

O tráfego marítimo é intenso naquela região, próxima aos grandes portos de Yokohoma e Tóquio.

"O USS Fitzgerald teve o casco danificado a boreste acima e abaixo da linha d'água", segundo o comunicado da Frota do Pacífico.

O choque causou "danos consideráveis" e provocou a entrada de água em dois andares onde dorme a tripulação, em uma sala de máquinas e na sala de rádio.



O navio demorou 16 horas para retornar ao porto de Yokosuka, aonde chegou na tarde de ontem. Os mergulhadores puderam, então, iniciar as buscas aos marinheiros desaparecidos.

"As famílias estão sendo contactadas e lhes damos o apoio necessário nestes momentos difíceis", declarou a Marinha americana.

"O nome dos marinheiros será divulgado quando os familiares tiverem sido informados", acrescentou.

"Pensamentos e orações para os marinheiros do USS Fitzgerald e suas famílias. Obrigado a nossos aliados japoneses por sua ajuda", publicou o presidente americano, Donald Trump, no Twitter.

Nos últimos cinco anos, houve várias colisões naquela zona de tráfego marítimo intenso, informou neste domingo o jornal japonês "Asahi".

O USS Fitzgerald opera no Pacífico e no Mar do Japão, e seu porto de amarra fica na base de Yokosuka, ao sul de Yokohama e Tóquio. O navio foi usado na guerra do Iraque em 2003.

O ACX Crystal é um navio mercante de bandeira filipina que operava para o gigante japonês NYK Line. Nenhum de seus 20 tripulantes ficou ferido.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM