Jornal do Commercio
Incêndio Florestal

'Nossa casa amanheceu cheia de cinzas', diz pernambucano que reside em Portugal

Defensor público da União, André Carneiro Leão e reside há um ano em Coimbra, cidade localizada a cerca de 40 km do principal foco das chamas

Publicado em 18/06/2017, às 18h49

"A maioria das pessoas morreu em seus carros, na tentativa de escapar do incêndio. E além dos mortos e feridos, muitas famílias que moravam nas aldeias perderam tudo", afirmou o pernambucano
AFP
JC Online
Com colaboração de Mariana Barros da TV Jornal

O pernambucano André Carneiro Leão, residente em Portugal, falou sobre a grande apreensão causada em Portugal após o incêndio florestal que causou a morte de 61 pessoas no País. André é defensor público da União e reside há um ano em Coimbra, cidade localizada a cerca de 40 km de Pedrógrão Grande, local mais afetado pelas chamas.

"Nossa casa amanheceu cheia de cinzas, foi um incêndio muito grande. Os feridos estão sendo trazidos para o hospital daqui de Coimbra, porque é referência em Queimados e é o maior hospital que fica perto de lá. O problema é que o fogo ainda não está controlado", declarou o pernambucano.

André contou ainda que a tragédia foi o principal assunto da cobertura jornalística em Portugal."Estamos acompanhando muitas das informações pela TV. O dia todo foi repleto de reportagens sobre o incêndio", declarou. O primeiro-ministro português, Antonio Costa, classificou o incêndio florestal deste domingo como "a maior tragédia" que o País viveu e décadas.



"A maioria das pessoas morreu em seus carros, na tentativa de escapar do incêndio. E além dos mortos e feridos, muitas famílias que moravam nas aldeias perderam tudo. São imagens muito tristes", concluiu.

Época propensa para incêndios florestais em Portugal

Como na maior parte dos países localizados no Mediterrâneo, Portugal se torna bastante propenso a incêndios florestais nos meses secos do verão. Outros quatro pontos de incêndios significativos atingiram diferentes áreas de Portugal durante o domingo, mas o de Pedrógão Grande foi responsável por todas as mortes.

O maior registro de mortes por causa de incêndios florestais em Portugal ocorreu em 1966, quando 25 soldados morreram tentando combater o fogo. Em agosto passado, incêndios ocorridos em diversos pontos do país deixaram quatro mortos.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM