Jornal do Commercio
Incêndio Florestal

'Nossa casa amanheceu cheia de cinzas', diz pernambucano que reside em Portugal

Defensor público da União, André Carneiro Leão e reside há um ano em Coimbra, cidade localizada a cerca de 40 km do principal foco das chamas

Publicado em 18/06/2017, às 18h49

"A maioria das pessoas morreu em seus carros, na tentativa de escapar do incêndio. E além dos mortos e feridos, muitas famílias que moravam nas aldeias perderam tudo", afirmou o pernambucano
AFP
JC Online
Com colaboração de Mariana Barros da TV Jornal

O pernambucano André Carneiro Leão, residente em Portugal, falou sobre a grande apreensão causada em Portugal após o incêndio florestal que causou a morte de 61 pessoas no País. André é defensor público da União e reside há um ano em Coimbra, cidade localizada a cerca de 40 km de Pedrógrão Grande, local mais afetado pelas chamas.

"Nossa casa amanheceu cheia de cinzas, foi um incêndio muito grande. Os feridos estão sendo trazidos para o hospital daqui de Coimbra, porque é referência em Queimados e é o maior hospital que fica perto de lá. O problema é que o fogo ainda não está controlado", declarou o pernambucano.

André contou ainda que a tragédia foi o principal assunto da cobertura jornalística em Portugal."Estamos acompanhando muitas das informações pela TV. O dia todo foi repleto de reportagens sobre o incêndio", declarou. O primeiro-ministro português, Antonio Costa, classificou o incêndio florestal deste domingo como "a maior tragédia" que o País viveu e décadas.



"A maioria das pessoas morreu em seus carros, na tentativa de escapar do incêndio. E além dos mortos e feridos, muitas famílias que moravam nas aldeias perderam tudo. São imagens muito tristes", concluiu.

Época propensa para incêndios florestais em Portugal

Como na maior parte dos países localizados no Mediterrâneo, Portugal se torna bastante propenso a incêndios florestais nos meses secos do verão. Outros quatro pontos de incêndios significativos atingiram diferentes áreas de Portugal durante o domingo, mas o de Pedrógão Grande foi responsável por todas as mortes.

O maior registro de mortes por causa de incêndios florestais em Portugal ocorreu em 1966, quando 25 soldados morreram tentando combater o fogo. Em agosto passado, incêndios ocorridos em diversos pontos do país deixaram quatro mortos.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM