Jornal do Commercio
CUBA

Cuba aos EUA: 'Jamais negociaremos sob pressão ou ameaça'

O chanceler Bruno Rodríguez destacou que as medidas de Trump provocarão "danos e sofrimentos" ao povo cubano

Publicado em 19/06/2017, às 14h16

Rodríguez destacou que as medidas de Trump provocarão
Rodríguez destacou que as medidas de Trump provocarão "danos econômicos" às empresas da ilha
Foto: JOE KLAMAR/AFP
AFP

Cuba se nega a negociar com os Estados Unidos "sob pressão ou ameaça", afirmou nesta segunda-feira (19) em Viena seu chanceler, Bruno Rodríguez, em resposta à mudança de política para a ilha anunciada por Donald Trump.

"Como estabelece a Constituição da República de Cuba, jamais negociaremos sob pressão ou ameaça", disse Rodríguez em entrevista coletiva, ressaltando que seu país também não "realizará concessões inerentes à sua soberania e independência".

Classificando de "brutal" o regime de Raúl Castro e na presença de anticastristas, Trump anunciou na sexta-feira (16) em Miami sua nova política em relação à ilha, que endurece o embargo vigente desde 1962, limita as viagens de americanos e proíbe negócios com empresas administradas por militares cubanos.

Rodríguez destacou que as medidas de Trump provocarão "danos e sofrimentos" ao povo cubano, "danos econômicos" às empresas da ilha e ao nascente setor privado que floresce na esteira da reforma econômica, mas que a decisão "não cumprirá os objetivos proclamados".



Ainda assim, ressaltou, "restringirão as liberdades dos cidadãos americanos" e reduzirão as oportunidades de participação de suas empresas na economia da ilha.

"Cuba rejeita energicamente as novas medidas que endurecem o bloqueio (embargo), o que denunciaremos na próxima Assembleia Geral da ONU, porque é injusto, desumano, genocida, extraterritorial e violatório da soberania de todos os Estados", afirmou.

"O governo dos Estados Unidos não tem autoridade moral, não pode dar lições sobre direitos humanos e democracia", apontou.

Em relação aos fugitivos da justiça norte-americana, disse que "Cuba concedeu asilo político ou refúgio a lutadores pelos direitos civis dos Estados Unidos. Essas pessoas não serão enviadas aos Estados Unidos, que carece de base legal, política e moral para exigi-los".

Ele acrescentou que 12 cidadãos norte-americanos que cometeram delitos em Cuba e foram sancionados a prisão, foram enviados aos Estados Unidos "por decisão unilateral e em ato de boa vontade, do governo cubano".


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM