Jornal do Commercio
CUBA

Cuba aos EUA: 'Jamais negociaremos sob pressão ou ameaça'

O chanceler Bruno Rodríguez destacou que as medidas de Trump provocarão "danos e sofrimentos" ao povo cubano

Publicado em 19/06/2017, às 14h16

Rodríguez destacou que as medidas de Trump provocarão
Rodríguez destacou que as medidas de Trump provocarão "danos econômicos" às empresas da ilha
Foto: JOE KLAMAR/AFP
AFP

Cuba se nega a negociar com os Estados Unidos "sob pressão ou ameaça", afirmou nesta segunda-feira (19) em Viena seu chanceler, Bruno Rodríguez, em resposta à mudança de política para a ilha anunciada por Donald Trump.

"Como estabelece a Constituição da República de Cuba, jamais negociaremos sob pressão ou ameaça", disse Rodríguez em entrevista coletiva, ressaltando que seu país também não "realizará concessões inerentes à sua soberania e independência".

Classificando de "brutal" o regime de Raúl Castro e na presença de anticastristas, Trump anunciou na sexta-feira (16) em Miami sua nova política em relação à ilha, que endurece o embargo vigente desde 1962, limita as viagens de americanos e proíbe negócios com empresas administradas por militares cubanos.

Rodríguez destacou que as medidas de Trump provocarão "danos e sofrimentos" ao povo cubano, "danos econômicos" às empresas da ilha e ao nascente setor privado que floresce na esteira da reforma econômica, mas que a decisão "não cumprirá os objetivos proclamados".



Ainda assim, ressaltou, "restringirão as liberdades dos cidadãos americanos" e reduzirão as oportunidades de participação de suas empresas na economia da ilha.

"Cuba rejeita energicamente as novas medidas que endurecem o bloqueio (embargo), o que denunciaremos na próxima Assembleia Geral da ONU, porque é injusto, desumano, genocida, extraterritorial e violatório da soberania de todos os Estados", afirmou.

"O governo dos Estados Unidos não tem autoridade moral, não pode dar lições sobre direitos humanos e democracia", apontou.

Em relação aos fugitivos da justiça norte-americana, disse que "Cuba concedeu asilo político ou refúgio a lutadores pelos direitos civis dos Estados Unidos. Essas pessoas não serão enviadas aos Estados Unidos, que carece de base legal, política e moral para exigi-los".

Ele acrescentou que 12 cidadãos norte-americanos que cometeram delitos em Cuba e foram sancionados a prisão, foram enviados aos Estados Unidos "por decisão unilateral e em ato de boa vontade, do governo cubano".


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM