Jornal do Commercio
Violência

Comunidade LGTB do Magreb exige descriminalização da homossexualidade

Ativistas se reuniram durante as celebrações da WorldPride, na Espanha, e pediram pela retirada do artigo que torna a homossexualidade um crime

Publicado em 29/06/2017, às 21h31

Apesar da homossexualidade não ser punida na Turquia, governo do País tem reprimido, desde 2015, as marchas de orgulho LGBT em Istambul / YASIN AKGUL / AFP
Apesar da homossexualidade não ser punida na Turquia, governo do País tem reprimido, desde 2015, as marchas de orgulho LGBT em Istambul
YASIN AKGUL / AFP
AFP

A Primavera Árabe abriu uma janela para a comunidade LGTB do norte da África, mas seis anos depois continua lutando por algo tão básico quanto a descriminalização da homossexualidade, denunciaram vários ativistas em Madri, durante a WorldPride.

Na Tunísia, a frágil democracia instaurada após a revolução de 2010-2011 permitiu que a situação dos homossexuais seja debatida publicamente.

No entanto, a homossexualidade é punida com três anos de prisão, em virtude do artigo 230 do Código Penal. Paradoxalmente, este mesmo país legalizou o aborto em 1973, antes da França, por exemplo.

Marrocos e Argélia, dois países onde o poder resistiu aos embates da Primavera Árabe, também punem a homossexualidade com penas de prisão, assim como a Líbia. E na Mauritânia está prevista inclusive a pena de morte, embora esta não seja aplicada.

Em um encontro de mais de 180 ativistas realizado de segunda-feira a quarta-feira em Madri, o tunisiano Hafedh Trifi lembrou que a "prioridade" é a revogação desse artigo e do teste anal, uma prática "desumana" e "degradante", à que se recorre para comprovar que um detido teve relações homossexuais.

A comunidade LGTB propôs a revogação desse artigo durante as eleições legislativas de 2014, mas esbarrou com o "silêncio de todos os partidos", lamenta Trifi.

No partido islamita Ennahda, que conta com a maior bancada do Parlamento e faz parte do governo de coalizão, há dirigentes que "dizem que é uma doença que deve ser tratada, ou que inclusive deve-se matar, prender ou exilar os homossexuais", acrescenta Trifi.

Os obstáculos não vêm apenas do lado religioso. Em outubro de 2015, o presidente tunisiano, o laico Beji Caid Essebsi, afirmou a um canal de televisão egípcio que a revogação do artigo 230 "não acontecerá. Me recuso a fazer isso".

Na vizinha Argélia, segundo o imame Ludovic-Mohamed Zahed, nascido ali há 40 anos e abertamente homossexual, "existe a impressão de que não é possível sequer debater estes problemas".

Segundo ele, o país está nas mãos de uma "oligarquia militar-econômica", que teme a diversidade.

"Se as pessoas vivem em um clima de diversidade e de debate, (a elite) perderá o poder, e sabe disso muito bem. (...) É fácil controlar uma população uniforme", denuncia este imame instalado na França desde os anos 1990.

No Egito, a queda de Hosni Mubarak em 2011 também não se traduziu em uma maior abertura. Apesar da lei do país não castigar expressamente a homossexualidade, tanto com ele como com o atual presidente, Abdel Fatah al Sisi, são habituais as condenações a penas de prisão contra homens homossexuais por "libertinagem".



Em um painel sobre a comunidade LGTB no mundo islâmico na Universidade Autônoma de Madri, o ativista e educador social Daniel Ahmed Said advertiu, porém, contra toda visão "essencialista" da homofobia nos países muçulmanos.

Said recordou que no norte da África e no Oriente Médio, a colonização francesa e britânica a partir do século XIX se traduziu na "importação de uma moral rígida no que diz respeito à sexualidade".

Hafedh Trifi apontou, nesse sentido, que na Tunísia as leis contra a homossexualidade chegaram com o protetorado francês, instalado em 1881.

- O caso turco -

Situada fora da região do Magreb, a Turquia também apresenta onde o laicismo é um dos pilares da República moderna fundada em 1923.

A primeira marcha do orgulho gay em Istambul foi realizada em 2003. No entanto, desde 2015 as autoridades da cidade a proibiram, alegando motivos de segurança.

Na verdade, explica à AFP Sedef Çakmak, ativista e vereadora do distrito de Besiktas, a proibição esconde motivações políticas e religiosas.

"A Turquia é um país laico, por isso não podiam escrever abertamente que a proibição (de 2015) era pelo Ramadã. No entanto, ao telefone nos disseram que a proibição se devia ao Ramadã", o mês do jejum ritual dos muçulmanos.

Em 2014, acrescenta Çakmak, a marcha do orgulho gay de Istambul reuniu cerca de 80.000 pessoas. A partir daí, o governo "viu que o movimento LGTB era um ator político no país, e começou a vê-lo como uma ameaça".

Atualmente, a Turquia vive sob o estado de emergência instaurado após o golpe de Estado frustrado de julho de 2016 contra o governo do presidente Recep Tayyip Erdogan.

A homossexualidade não é punida. Por outro lado, "não há leis que proíbam a discriminação baseada na orientação ou na identidade sexual", aponta Çakmak, de 35 anos.

"Com isto, o que o Estado está querendo dizer é que não se preocupa nem um pouco com o que aconteça com a comunidade LGTB", conclui.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM