Jornal do Commercio
ESTUDO

Aumento da temperatura dificultará decolagem de aviões

O problema estará presente particularmente durante as ondas de calor

Publicado em 13/07/2017, às 18h00

Ao esquentar, o ar perde densidade e as asas perdem sustentação / Foto: AFP
Ao esquentar, o ar perde densidade e as asas perdem sustentação
Foto: AFP
AFP

O aumento das temperaturas devido ao aquecimento global pode causar problemas para a decolagem de aviões nas próximas décadas, advertiu nesta quinta-feira (13) um estudo após o cancelamento de vários voos no Arizona em meio a uma onda de calor.

Os cientistas alertam que se as emissões de gases de efeito estufa não diminuírem, a carga das aeronaves e/ou seu combustível deverão ser reduzidos em até 4% em alguns aviões nos dias mais quentes.

Nas horas mais quentes do dia, de 10% a 30% dos aviões deverão remover um pouco de combustível, carga ou passageiros, ou esperar que a temperatura diminua para voar, segundo o estudo publicado na revista Mudanças Climáticas ("Climatic Change").

"As restrições de peso podem impor um custo nada trivial às companhias aéreas e ter um impacto nas operações aéreas pelo mundo", disse Ethan Coffel, autor principal do estudo e aluno de doutorado na Universidade de Columbia, em um comunicado.

"Quanto antes o clima for incorporado nos planos de médio e longo prazo, mais eficazes serão os esforços de adaptação", afirmou.



Uma redução de 4% no peso pode implicar em 12 ou 13 passageiros a menos em um voo de 160 pessoas operado hoje em dia.

Ao esquentar, o ar perde densidade e as asas perdem sustentação. Dependendo de fatores como o tipo de aeronave e o comprimento da pista, um avião cheio pode ser incapaz de decolar com segurança se a temperatura subir demais.

O problema estará presente particularmente durante as ondas de calor. O estudo projeta que as temperaturas diárias máximas anuais em aeroportos subirão de quatro para oito graus centígrados até 2080.

O coautor do estudo e especialista em clima Radley Horton, da Universidade de Columbia, disse que alguns efeito podem ser mitigados com um novo motor, novos designers do corpo da aeronave ou pistas mais longas.

Outros pesquisadores já haviam alertado que as mudanças climáticas podem aumentar as turbulências perigosas e ventos que estenderiam os tempos de voo. Os aumentos crescentes no nível do mar já ameaçam inundar alguns grandes aeroportos, segundo o estudo.

Temperaturas extremas levaram a American Airlines a cancelar 43 voos de partida e chegada no aeroporto Phoenix Sky Harbor do Arizona em 20 de junho, quando o termômetro marcava um recorde de 49 graus Celsius.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM