Jornal do Commercio
MEGA-ASSALTO

Assalto do PCC à joalheria na Bolívia deixa cinco mortos

Três criminosos mortos pela polícia são brasileiros

Publicado em 14/07/2017, às 04h15

Houve troca de tiros entre os assaltantes e a polícia / Foto: Reprodução
Houve troca de tiros entre os assaltantes e a polícia
Foto: Reprodução
AFP

Cinco mortos, sendo um refém, três criminosos brasileiros e um policial local, assim como 10 feridos por tiros e dois detidos. Esse foi o saldo de um confronto armado registrado nesta quinta-feira na Bolívia, após um roubo frustrado a uma joalheria.

"São cinco pessoas mortas: uma civil, um tenente (da polícia) e três assaltantes", afirmou o ministro de Governo (Interior), Carlos Romero, citado pelo jornal El Deber de Santa Cruz, 900 km a leste de La Paz, onde ocorreu o assalto.  

O vice-ministro de Regime Interior, Carlos Aparicio, confirmou ao canal estatal de televisão TVB que os três criminosos abatidos pela polícia são brasileiros.

Romero informou que a mulher morta era funcionária da joalheria assaltada, que havia sido levada a um hospital depois de ser baleada.

A mulher foi tomada como refém e usada por um dos criminosos como escudo humano, quando o grupo tentava fugir do local, no coração econômico de Santa Cruz, a cidade mais povoada do país.



Dez pessoas feridas por tiros, entre civis e policiais, foram levados ao hospital. A polícia conseguiu capturar dois criminosos.

PCC

Romero relacionou a tentativa de assalto à ação da organização criminosa brasileira Primeiro Comando da Capital (PCC), envolvido em outros crimes na Bolívia, como o ataque à empresa Brinks em abril passado e antes disso a uma outra joalheria.

"O PCC é responsável pelo assalto à Brinks, à joalheria 'Império' e tentaram roubar a Eurochronos", a joalheria atacada nesta quinta-feira, afirmou o ministro de Governo ao El Deber.

Os incidentes começaram quando um grupo de delinquentes tentou assaltar a loja, mas o segurança conseguiu alertar a polícia.

Os policiais cercaram o local, enquanto os criminosos tentavam fugir, fazendo vários funcionários da empresa como reféns para utilizá-los como escudos humanos, segundo imagens divulgadas por vários canais de televisão.

Houve troca de tiros entre os assaltantes e a polícia.

Após o assalto à Brinks, meses atrás, o governo boliviano anunciou que coordenaria ações com seus pares de Brasil e Paraguai.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Denise,14/07/2017

O CRIME sem dúvida nenhuma é melhor produto , agora também exportado. O Foro de São Paulo se enche de orgulho, companheiros.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM