Jornal do Commercio
CONFLITO

É lento avanço das forças anti-EI na cidade síria de Raqa

Os extremistas lançaram veículos cheios de explosivos para conter o avanço das tropas, contou um dos combatentes das FDS estacionadas perto de Rmeila

Publicado em 14/07/2017, às 13h10

De acordo com o Observatório as Forças Democráticas Sírias tomaram do EI o bairro de Batani, no leste do principal reduto da organização extremista na Síria / Foto: Bulent Kilic/AFP
De acordo com o Observatório as Forças Democráticas Sírias tomaram do EI o bairro de Batani, no leste do principal reduto da organização extremista na Síria
Foto: Bulent Kilic/AFP
AFP

A aliança curdo-árabe apoiada por Washington conquistou um novo bairro em Raqa, mas, no momento, tenta apenas consolidar suas posições frente à feroz resistência do grupo Estado Islâmico (EI) na cidade síria - relatam um combatente e a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

De acordo com o Observatório, na quinta-feira (13) à noite, as Forças Democráticas Sírias (FDS) tomaram do EI o bairro de Batani, no leste do principal reduto da organização extremista na Síria.

Além disso, "lançaram uma ofensiva contra o bairro vizinho de Rmeila", disse à AFP o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman, acrescentando que o EI recorreu a drones, franco-atiradores e bombas durante os combates.

Armamento

Os extremistas também lançaram veículos cheios de explosivos para conter o avanço das tropas, contou um dos combatentes das FDS estacionadas perto de Rmeila.



"Estão enviando carros-bomba para nossas posições e colocam minas conforme vão recuando", disse o combatente, de 30 anos, identificando-se apenas como Abu.

Segundo ele, os civis "não podem se deslocar. Não podem fugir durante o dia por causa dos franco-atiradores".

Ainda de acordo com seu relato, sua unidade conseguiu abrir um caminho seguro para os residentes de Rmeila, presos em meio aos combates.

Abdel Halim Olaywi, um morador de 56 anos, conseguiu escapar por essa via, mas sua irmã, não.

"Há dez dias, um bombardeio atingiu nossa casa [...] Minha irmã foi ferida no estômago. Morreu seis dias depois", lamentou, garantindo que havia tentado fugir várias vezes com sua família.

Segundo o diretor do OSDH, o Estado Islâmico conseguiu conter o avanço das FDS em Raqa, principalmente na Cidade Velha.

"As FDS têm dificuldade para manter as novas posições na Cidade Velha por causa dos franco-atiradores e do aumento dos ataques com drones", acrescentou.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM