Jornal do Commercio
VENEZUELA

Brasil pede à Venezuela que cancele Constituinte

A Venezuela vive uma forte convulsão, com protestos que deixam 95 mortos desde 1º de abril

Publicado em 17/07/2017, às 17h20

Mais de sete milhões de cidadãos rejeitaram, segundo a oposição, a iniciativa em um plebiscito simbólico / Foto: FEDERICO PARRA / AFP
Mais de sete milhões de cidadãos rejeitaram, segundo a oposição, a iniciativa em um plebiscito simbólico
Foto: FEDERICO PARRA / AFP
AFP

O Brasil pediu nesta segunda-feira (17) ao governo venezuelano que cancele a convocatória à Assembleia Constituinte, depois de mais de sete milhões de cidadãos rejeitarem, segundo a oposição, a iniciativa em um plebiscito simbólico celebrado neste domingo (16). 

As regras da Constituinte "violam o direito ao sufrágio universal e ao próprio princípio de soberania popular", afirmou a chancelaria brasileira em um comunicado.

"O elevado nível de participação no plebiscito organizado ontem, dia 16, pela Assembleia Nacional foi mostra inequívoca da vontade do povo venezuelano de pronta restauração do estado democrático de direito no país", acrescentou o Itamaraty.

A Venezuela vive uma forte convulsão, com protestos que deixam 95 mortos desde 1º de abril, e uma das piores crises econômicas de sua história, que asfixia a população com uma severa escassez e inflação de três dígitos.



Segundo a coalizão opositora venezuelana Mesa da Unidade Democrática (MUD), que organizou o plebiscito sem o aval do poder eleitoral, cerca de 7,2 milhões de venezuelanos votaram contra o presidente Nicolás Maduro e sua convocatória a uma Assembleia constituinte, cujos integrantes serão eleitos em 30 de julho.

No domingo (16), uma mulher morreu e outras três pessoas ficaram feridas em um ataque com armas de fogo contra eleitores em um bairro popular do oeste de Caracas. 

O Brasil condenou esses episódios e voltou a pedir a "restauração das competências da Assembleia Nacional" - o Parlamento, hoje de maioria opositora - e a "libertação de todos os presos políticos". 

O governo brasileiro espera que o resultado do plebiscito leve a "uma negociação efetiva a favor da paz e da democracia na Venezuela".


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM