Jornal do Commercio
Coreias

Coreia do Sul quer dialogar com norte-coreanos para aliviar tensão

A Coreia do Sul propôs nesta segunda-feira (17) ao regime norte-coreano um diálogo destinado a aliviar as tensões militares bilaterais

Publicado em 17/07/2017, às 09h58

O presidente sul-coreano, Moon Jae-In / Foto: AFP/Arquivos
O presidente sul-coreano, Moon Jae-In
Foto: AFP/Arquivos
AFP

A Coreia do Sul propôs nesta segunda-feira (17) ao regime norte-coreano um diálogo destinado a aliviar as tensões militares bilaterais, dias após Pyongyang testar seu primeiro míssil balístico intercontinental.

A proposta, a primeira desde a chegada este ano ao poder em Seul do presidente Moon Jae-in, foi apresentada depois que a Cruz Vermelha propôs outra reunião para discutir a questão das famílias separadas pela Guerra da Coreia (1950- 53).

O ministério da Defesa sul-coreano sugeriu a realização de uma reunião na sexta-feira na localidade fronteiriça de Panmunjom, enquanto a Cruz Vermelha sugere outro encontro separadamente em 1º de agosto no mesmo lugar.

Se a reunião do governo for realizada, será o primeiro diálogo oficial entre as duas Coreias desde dezembro de 2015.

A predecessora conservadora de Moon, Park Geun-hye, recusava todo o diálogo com Pyongyang, a menos que o regime comunista se comprometesse a implementar medidas concretas de desnuclearização.

"Propomos uma reunião (...) destinada a acabar com qualquer ação hostil capaz de aumentar a tensão militar ao longo da fronteira terrestre", indicou o ministério em um comunicado.



A Cruz Vermelha espera, por sua vez, uma "resposta positiva" do Norte, na esperança de organizar reuniões de família no início de outubro. Se concretizado, tal encontro seria o primeiro do tipo em dois anos. 

Milhões de famílias foram separadas pelo conflito que levou à divisão da península em duas Coreias.

Muitos morreram sem ver seus parentes do outro lado da fronteira fortemente vigiada, através da qual toda a comunicação civil é proibida.

Moon, que assumiu o cargo em maio, defende um diálogo com o Norte como uma maneira de trazer Pyongyang à mesa de negociações, em meio as crescentes tensões alimentadas pela ambições nucleares norte-coreanas.

No entanto, Pyongyang realizou uma série de testes de mísseis em violação das resoluções da ONU, sendo o mais recente em 4 de julho, quando testou o seu primeiro míssil balístico intercontinental, em resposta ao que o presidente dos Estados Unidos Donald Trump exigiu a imposição de novas sanções pela ONU.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM