Jornal do Commercio
Venezuela

Governo considera plebiscito contra Maduro 'fraude' e reafirma Constituinte

Dirigente venezuelano comparou o plebiscito de domingo com as assinaturas recolhidas pela oposição em 2016 para convocar um referendo revogatório contra Maduro

Publicado em 17/07/2017, às 21h03

Ex-presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), o funcionário questionou o número de 7,2 milhões de pessoas que, segundo a oposição, votaram contra Maduro e a Constituinte / GEORGE CASTELLANO / AFP
Ex-presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), o funcionário questionou o número de 7,2 milhões de pessoas que, segundo a oposição, votaram contra Maduro e a Constituinte
GEORGE CASTELLANO / AFP
AFP

O governo venezuelano chamou de "fraude", nesta segunda-feira, o plebiscito simbólico da oposição contra o presidente Nicolás Maduro e advertiu que o seu resultado não irá deter a Assembleia Constituinte.

"Acaba de ser superada a maior fraude da história da Venezuela", disse o chefe de campanha da Constituinte, Jorge Rodríguez, em coletiva.

O dirigente comparou a votação de domingo com as assinaturas recolhidas pela oposição em 2016 para convocar um referendo revogatório contra Maduro, que o poder eleitoral suspendeu por supostas irregularidades.

Naquele momento, Rodríguez, um dos políticos mais poderosos do chavismo, denunciou o recolhimento das assinaturas como a "maior fraude" eleitoral no país.

Questionamento do número de participantes

Ex-presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), o funcionário questionou o número de 7,2 milhões de pessoas que, segundo a oposição, votaram contra Maduro e a Constituinte.



Para ele, muito menos pessoas participaram de um processo que, lembrou, não é legalmente vinculante por não ter sido organizado pelo CNE.

Outro influente líder do governo, Diosdado Cabello, chamou a consulta de "absolutamente ilegal".

Em sua denúncia de "fraude", Rodríguez enumerou supostas inconsistências que, segundo ele, põem em xeque os resultados, como a falta de um registro eleitoral e o fato de os cadernos eleitorais terem sido queimados diante de possíveis represálias do governo. Assegurou também que foram somados "900.000 votos nulos".

Segundo disse, no registro oficial há 102.000 venezuelanos que podem votar no exterior, mas "eles dizem que 693.000 votaram".

"Na Austrália vivem 1.000 venezuelanos e 7.000 votaram", acrescentou Rodríguez, ironizando que lá "até os cangurus votaram".

O também prefeito do município de Libertador reiterou que, em todo caso, em 30 de julho "chova, troveje ou relampeje", os 545 membros da Constituinte serão eleitos, iniciativa que a oposição considera uma manobra de Maduro para instaurar "uma ditadura".

Para Rodríguez, ao estar abaixo das previsões de alguns dirigentes opositores, a votação é uma mensagem para parar com "a violência" nos protestos contra Maduro, que deixam 96 mortos desde 1º de abril.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Mundo de Rafa O Mundo de Rafa
Rafael foi diagnosticado com síndrome de Asperger apenas aos 11 anos. Seus desenhos contam pedaços muito importantes da sua história. Exprimem momentos de alegria, de comemoração e também de desabafo, de dor
Gastos dos parlamentares pernambucanos Gastos dos parlamentares pernambucanos
Os deputados federais da bancada pernambucana gastaram, no 1º semestre deste ano, R$ 5,1 milhões em verbas de cotas parlamentares. Já os senadores gastaram R$ 692 mil. Os dados foram coletados com base no portal da transparência da Câmara e do Senado
Um metrô ainda renegado Um metrô ainda renegado
São 32 anos de operação e uma eterna luta por sobrevivência. Esse é o metrô do Recife

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM