Jornal do Commercio
Estados Unidos

Trump diz que veto a transgêneros é 'grande favor' às Forças Armadas

Trump declarou que a questão dos militares transgêneros era 'complicada' e 'confusa' para as Forças Armadas

Publicado em 10/08/2017, às 20h34

Trump derrubou uma política que durou mais de um ano durante a administração Obama e que permitiu a transgêneros servir abertamente nas Forças Armadas / Foto: Nicholas Kamm/AFP
Trump derrubou uma política que durou mais de um ano durante a administração Obama e que permitiu a transgêneros servir abertamente nas Forças Armadas
Foto: Nicholas Kamm/AFP
AFP

O presidente americano, Donald Trump, afirmou nesta quinta-feira (10) ter feito um "grande favor" às Forças Armadas dos Estados Unidos ao vetar a incorporação de transgêneros às tropas.

Falando a jornalistas em seu clube de golfe em Nova Jersey, onde passa férias, Trump disse que a questão dos militares transgêneros era "complicada" e "confusa" para as Forças Armadas.

"Veja, eu tenho um grande respeito pela comunidade (transgênero)", disse Trump. "Penso ter grande apoio - ou ter tido grande apoio - desta comunidade. Tive muitos votos", prosseguiu.

Mas, segundo Trump, a questão das tropas transgênero era "uma situação muito difícil" para as Forças Armadas americanas.

"Como sabem, era uma questão muito complicada para os militares", insistiu. "Era uma questão muito confusa para os militares", continuou.

"Acho que estou fazendo um grande favor para os militares", reforçou.

Em uma série de tuítes postados no mês passado, derrubou uma política que durou mais de um ano durante a administração Obama e que permitiu a transgêneros servir abertamente nas Forças Armadas.



Seu anúncio foi feito com pouca ou nenhuma coordenação com o Pentágono e durante as férias do secretário de Defesa, Jim Mattis, surpreendendo o Departamento, que tentava, às pressas, trazer uma resposta coerente.

Esta semana, cinco mulheres trans das Forças Armadas americanas entraram com processos contra Trump e o Pentágono por causa do veto.

Em uma ação apresentada em uma corte federal na quarta-feira, as cinco pleiteantes, membros da Força Aérea, da Guarda Costeira e do Exército, declararam sentir-se inseguras sobre seu futuro, inclusive se serão demitidas ou se perderão os benefícios pós-serviço ou de reforma.

A ação foi apresentada pelo Centro Nacional de Direitos das Lésbicas (NCLR, na sigla em inglês) e pelo grupo de advocacia GLAAD, contra Trump, Mattis e vários outros altos oficiais.

Todas as demandantes eram homens que fizeram a transição para se tornar mulheres.

O número de trans entre o 1,3 milhão de membros ativos nas Forças Armadas americanas é pequeno, com estimativas que variam entre 1.320 e 15.000.

Duas semanas após os tuítes de Trump, a Casa Branca não havia dado diretrizes claras ao Pentágono sobre como deve implementar o veto aos transgêneros. Por isso, a política atual permanece em vigor por enquanto.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.
JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM