Jornal do Commercio
crise

Trump considera ação militar na Venezuela

"Temos várias opções para lidar com a Venezuela e não vamos descartar ação militar", disse Trump

Publicado em 11/08/2017, às 19h54

"A Venezuela é uma bagunça, uma bagunça muito perigosa", disse o republicano
Foto: AFP
Estadão Conteúdo

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse hoje em coletiva de imprensa que o seu país tem várias opções para conter as atividades do governo do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, incluindo ação militar.

"Temos várias opções para lidar com a Venezuela e não vamos descartar ação militar", disse Trump ao ser questionado por um jornalista sobre a abordagem de seu governo para com o país vizinho. "A Venezuela é uma bagunça, uma bagunça muito perigosa", disse o republicano.

Durante suas férias em Bedminster, Nova Jersey, o presidente ainda afirmou que "adoraria uma solução pacífica em relação à Coreia do Norte", com quem seu governo tem trocado ameaças de ação militar. "Podemos ter, também, uma solução ruim", completou



A escalada das tensões entre o governo Trump e os líderes da Venezuela e da Coreia do Norte acontecem na esteira da aplicação de sanções contra as duas nações pelos Estados Unidos. Washington se opôs fortemente à votação da assembleia constituinte na Venezuela e vem alertando o governo Maduro de que suas ações contra a democracia trariam consequências. Maduro, no entanto, se dispôs a ter um encontro com Trump, em um discurso à assembleia constituinte recém eleita, na noite de ontem.

Coreia do Norte

Em relação à Coreia do Norte, o presidente americano endureceu sua retórica após Pyongyang ameaçar atacar o território norte-americano de Guam, no Pacífico. Na coletiva, Trump disse que não conversou com o representante de Guam, mas garantiu que os residentes estão "muito seguros". "Se acontecer alguma coisa com Guam, a Coreia do Norte terá problemas". Mais cedo, Trump disse que o líder norte-coreano, Kim Jong Un, vai se "arrepender rapidamente" se continuar com suas ameaças aos territórios norte-americanos". 

Em sua conta no Twitter, o presidente disse que soluções militares para a crise estão "a postos, protegidas e carregadas". Em seguida, ele compartilhou uma mensagem da Comando do Pacífico dos EUA que mostrava aviões bombardeiros no território de Guam. (Matheus Maderal - matheus.maderal@estadao.com)


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por stelio,12/08/2017

É muita arrogância. Mas o seu fim já está determinado.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM