Jornal do Commercio
América Latina

Brasil rejeita uso da força para restaurar democracia na Venezuela

Embora não faça uma referência direta, a nota coincide com a declaração do ministro Aloysio Nunes

Publicado em 12/08/2017, às 14h36

Na nota, o Itamaraty lembra que o Mercosul tomou a decisão de suspender a Venezuela no último dia 5 de agosto por considerar que o governo de Nicolás Maduro rompeu com os compromissos democráticos previstos no Protocolo de Ushuaia. / Foto: Ronaldo Schemidt  / AFP
Na nota, o Itamaraty lembra que o Mercosul tomou a decisão de suspender a Venezuela no último dia 5 de agosto por considerar que o governo de Nicolás Maduro rompeu com os compromissos democráticos previstos no Protocolo de Ushuaia.
Foto: Ronaldo Schemidt / AFP
Estadão Conteúdo

O governo brasileiro rejeita o uso da força como instrumento para restaurar a democracia na Venezuela, afirma nota divulgada neste sábado (12) pelo Ministério das Relações Exteriores. "O repúdio à violência e a qualquer opção que envolva o uso da força é inarredável e constitui base fundamental do convívio democrático, tanto no plano interno como no das relações internacionais", diz o documento.

Embora não faça uma referência direta, a nota coincide com a declaração dada ontem ao 'Estado' pelo ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, ao ser questionado sobre o fato de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter aventado a possibilidade de usar a "opção militar" contra o governo de Nicolás Maduro. "Não apoiamos intervenção militar", afirmou. "O tempo do big stick já passou. Nosso caminho é o da diplomacia, da política, da negociação."



Na nota, o Itamaraty lembra que o Mercosul tomou a decisão de suspender a Venezuela no último dia 5 de agosto por considerar que o governo de Nicolás Maduro rompeu com os compromissos democráticos previstos no Protocolo de Ushuaia. "Desde então, aumentaram a repressão, as detenções arbitrárias e o cerceamento das liberdades individuais", diz a nota. "As medidas anunciadas pelo governo e pela assembleia nacional constituinte nos últimos dias reduzem ainda mais o espaço para o debate político e para a negociação."

Mesmo com esse quadro, os países do Mercosul insistirão, de forma individual e coletiva, para que a democracia volte à Venezuela. "O governo venezuelano não pode aspirar ao convívio normal com seus vizinhos na região enquanto não for restaurada a democracia no país", afirma. Os instrumentos aceitáveis para isso, diz a nota, são o diálogo e a diplomacia. A chancelaria da Argentina divulgou nota com igual teor.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM