Jornal do Commercio
América Latina

Brasil rejeita uso da força para restaurar democracia na Venezuela

Embora não faça uma referência direta, a nota coincide com a declaração do ministro Aloysio Nunes

Publicado em 12/08/2017, às 14h36

Na nota, o Itamaraty lembra que o Mercosul tomou a decisão de suspender a Venezuela no último dia 5 de agosto por considerar que o governo de Nicolás Maduro rompeu com os compromissos democráticos previstos no Protocolo de Ushuaia. / Foto: Ronaldo Schemidt  / AFP
Na nota, o Itamaraty lembra que o Mercosul tomou a decisão de suspender a Venezuela no último dia 5 de agosto por considerar que o governo de Nicolás Maduro rompeu com os compromissos democráticos previstos no Protocolo de Ushuaia.
Foto: Ronaldo Schemidt / AFP
Estadão Conteúdo

O governo brasileiro rejeita o uso da força como instrumento para restaurar a democracia na Venezuela, afirma nota divulgada neste sábado (12) pelo Ministério das Relações Exteriores. "O repúdio à violência e a qualquer opção que envolva o uso da força é inarredável e constitui base fundamental do convívio democrático, tanto no plano interno como no das relações internacionais", diz o documento.

Embora não faça uma referência direta, a nota coincide com a declaração dada ontem ao 'Estado' pelo ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, ao ser questionado sobre o fato de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter aventado a possibilidade de usar a "opção militar" contra o governo de Nicolás Maduro. "Não apoiamos intervenção militar", afirmou. "O tempo do big stick já passou. Nosso caminho é o da diplomacia, da política, da negociação."



Na nota, o Itamaraty lembra que o Mercosul tomou a decisão de suspender a Venezuela no último dia 5 de agosto por considerar que o governo de Nicolás Maduro rompeu com os compromissos democráticos previstos no Protocolo de Ushuaia. "Desde então, aumentaram a repressão, as detenções arbitrárias e o cerceamento das liberdades individuais", diz a nota. "As medidas anunciadas pelo governo e pela assembleia nacional constituinte nos últimos dias reduzem ainda mais o espaço para o debate político e para a negociação."

Mesmo com esse quadro, os países do Mercosul insistirão, de forma individual e coletiva, para que a democracia volte à Venezuela. "O governo venezuelano não pode aspirar ao convívio normal com seus vizinhos na região enquanto não for restaurada a democracia no país", afirma. Os instrumentos aceitáveis para isso, diz a nota, são o diálogo e a diplomacia. A chancelaria da Argentina divulgou nota com igual teor.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM