Jornal do Commercio
EUAXCHINA

EUA pressiona China por suposto roubo de propriedade intelectual

China também sofre ameaça de retaliação comercial a uma campanha em curso que busca uma maior cooperação de Pequim na crise nuclear norte-coreana

Publicado em 12/08/2017, às 16h52

Trump deve assinar uma diretriz na segunda-feira (14) o início de uma investigação formal para averiguar se as agências e as empresas do governo chinês estavam adquirindo injustamente patentes valiosas e licenças das empresas dos EUA / Nicholas Kamm / AFP
Trump deve assinar uma diretriz na segunda-feira (14) o início de uma investigação formal para averiguar se as agências e as empresas do governo chinês estavam adquirindo injustamente patentes valiosas e licenças das empresas dos EUA
Nicholas Kamm / AFP
Estadão Conteúdo

A administração do presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou neste sábado planos para pressionar a China pelo suposto roubo de propriedade intelectual, acrescentando a ameaça de retaliação comercial a uma campanha em curso que busca uma maior cooperação de Pequim na crise nuclear norte-coreana.

Segundo assessores da Casa Branca, Trump vai assinar uma diretriz na segunda-feira solicitando ao seu representante comercial que comece uma investigação formal para averiguar se as agências e as empresas do governo chinês estavam adquirindo injustamente patentes valiosas e licenças das empresas dos EUA, seja por roubo absoluto ou pressionando as fabricantes americanas em relação ao preço de entrada no mercado chinês.

"Esse roubo não só prejudica as empresas americanas, mas pode ameaçar a nossa segurança nacional", disse um alto funcionário da administração a repórteres neste sábado.

As autoridades enfatizaram que, embora estejam lançando uma investigação sobre o que eles consideravam ser um grande empecilho nas relações comerciais bilaterais, eles não tomariam nenhuma ação neste momento. Eles disseram que a diretriz de segunda-feira lançaria um estudo sobre se uma investigação de comércio formal era justificada e essa pesquisa levaria um ano ou mais. Eles se recusaram a discutir quais tipos de penalidades os EUA poderiam impor contra a China, dizendo que essa questão era "prematura".



A administração fez o anúncio um dia depois de Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, terem conversado sobre as tensões crescentes relacionadas ao programa de armas nucleares da Coreia do Norte. Trump disse repetidamente que cortaria as relações comerciais com Pequim se ele achasse que os chineses não estivessem fazendo o bastante para conter Pyongyang.

Coreia do Norte

Os assessores da Casa Branca disseram que a nova investigação não estava vinculada à estratégia da administração em relação à Coreia do Norte, apesar da ligação anterior do presidente sobre os assuntos. "Estes são eventos totalmente não relacionados", disse uma autoridade.

O governo da China tem rejeitado as alegações de que as empresas estrangeiras tenham transferido tecnologia ou permitido a violação de propriedade intelectual. O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, negou que estivesse usando políticas industriais para fortalecer as empresas estrangeiras em transformar a tecnologia, dizendo em uma reunião do Fórum Econômico Mundial em Dalian em junho que "essa cooperação é voluntária e ajuda a companhia". 


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.
JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM